Friday, May 30, 2008

Beauty at sea in detail



The Norwegian Royal Yacht NORGE in close up, at Lisbon on 2008-05-27
Texto e imagens /Text and images copyright L.M.Correia. For other posts and images, check our archive at the right column of the main page. Click on the photos to see them enlarged. Thanks for your visit and comments. Luís Miguel Correia

BEAUTY at sea: the NORGE



The Norwegian Royal Yacht NORGE on the river Tagus off Lisbon on 27th May 2008. After a three-day stay the NORGE left port yesterday May 29 at 4 PM. She is one of the very best looking and most beautiful ships I have been able to photograph since 1972...
Texto e imagens /Text and images copyright L.M.Correia. For other posts and images, check our archive at the right column of the main page. Click on the photos to see them enlarged. Thanks for your visit and comments. Luís Miguel Correia

New Holland America cruise ship


Acompanhe a construção e acabamento do novo paquete EURODAM no excelente blogue EURODAM. Aqui...
Texto /Text copyright L.M.Correia. Image from the EURODAM blog. For other posts and images, check our archive at the right column of the main page. Click on the photos to see them enlarged. Thanks for your visit and comments. Luís Miguel Correia

New Costa cruise ships


June 27 will be an historic day for Fincantieri when two Costa ships are floated out simultaneously: Costa Luminosa at the Marghera yard and Costa Pacifica at Sestri Ponente.
Costa Luminosa is due for delivery at the end of April 2009, with Costa Pacifica following a month later. The arrival of the two ships will boost the Costa fleet to 14 with total passenger capacity of approximately 36,000.
The 92,700gt Costa Luminosa, a new design for the brand, will carry up to 2,828 passengers. A sister to Costa Concordia and Costa Serena, the 114,500gt Costa Pacifica will accommodate up to 3,780 passengers. Image: the COSTA EUROPA cruising off Lisbon
Texto Seatrade Insider News / Image copyright L.M.Correia. For other posts and images, check our archive at the right column of the main page. Click on the photos to see them enlarged. Thanks for your visit and comments. Luís Miguel Correia

EURODAM UPDATE


Eurodam, the 80th ship to enter Holland America Line service, will be handed over at Fincantieri’s Marghera shipyard in Venice on June 14. The 86,700gt vessel will then head for the UK port of Southampton where she is expected to arrive on June 26 and stay overnight for promotional events before moving onto Rotterdam to be named on July 1. Capable of carrying 2,104 passengers, Eurodam is the largest ship in Holland America’s fleet. Fincantieri is also building a sister ship, as yet unnamed, due to enter service in autumn 2010. Image: The EURODAM painted by Stephen J. Card, one of several paintings to be seen aboard the new Holland America ship
Text from Seatrade Insider News / Images copyright EURODAM news blog. For other posts and images, check our archive at the right column of the main page. Click on the photos to see them enlarged. Thanks for your visit and comments. Luís Miguel Correia

CRUISING IN THE AZORES


The Azores Ports are hosting a training seminar entitled ‘The Cruise Industry of Today and Tomorrow’ on June 19 in Ponta Delgada.
‘The focus of the event is for ports and cruise lines to share information, experiences and thoughts, and brainstorm new ideas towards a continuous improvement of the cruise product,’ said Carlos Adalberto Silva, president of Azores Ports. Ponta Delgada is putting the finishing touches on a new cruise terminal which will officially open this summer.
Joining the panel discussions are Royal Caribbean Cruises Ltd.'s John Tercek, Princess Cruises’ Bruce Krumrine, Carnival UK’s Philip Naylor, Fred. Olsen’s Tim Mooore and MSC’s Luigi Pastena, as well as MedCruise president Laurent Monsaingeon and svp Albert Poggio.
Topics for discussion include the EU and cruise tourism, MedCruise’s contribution to the formulation of EU policies, preserving the Mediterranean’s diverse culture as the industry grows and opportunities for Portugal and its Atlantic isles to expand cruise tourism. Photo: the new Ponta Delgada cruise terminal PORTAS DO MAR

Seatrade Cruise News text /Image copyright L.M.Correia. For other posts and images, check our archive at the right column of the main page. Click on the photos to see them enlarged. Thanks for your visit and comments. Luís Miguel Correia

EUROPEAN EXPRESS ex-MILLENIUM EXPRESS in Lisbon


Duas imagens do ferry grego (bandeira do Panamá) EUROPEAN EXPRESS fundeado no Mar da Palha a 27-05-2008. Entrado em Lisboa na véspera vindo de Oran, este navio Ro-Ro de passageiros e carga vai permanecer em Lisboa durante três semanas para reparação.
Propriedade da companhia liberiana Integer Maritime Co. Inc, (Strand Management S.A., Pireu), o EUROPEAN EXPRESS tem 15.075 toneladas de arqueação bruta (GR) e capacidade para 982 pasageiros e 250 viaturas. Foi construído no Japão (Shimitsu) em 1974, para a companhia Marine Express Line com o nome TAKACHIO MARU, operando entre Kawasaki e Hyuga. Em 1999 mudou o nome para HO MARU sendo vendido no mesmo ano à companhia grega Access Ferries, mudando o nome para MILLENNIUM EXPRESS. Tem operado no Mediterraneo e Caraíbas em diversos fretamentos, nomeadamente fretado ao grupo CNAN da Argélia e é designado pelo nome actual desde 2007.
The Panamian ferry EUROPEAN EXPRESS anchored at Mar da Palha, Lisbon on 27 May 2008 waiting repairs in Lisbon, where she arrived on 26 May for a refit. Built in Japan in 1974 as the TAKACHIO MARU and sold in 1999 to Access Ferries, she has been operated under charter to the CNAN Group of Algeria.
Texto e imagens /Text and images copyright L.M.Correia. For other posts and images, check our archive at the right column of the main page. Click on the photos to see them enlarged. Thanks for your visit and comments. Luís Miguel Correia

Wednesday, May 28, 2008

Ponta Delgada 18-08-1957


Porto de Ponta Delgada numa imagem datada de 18 de Agosto de 1957 em que aparece o paquete francês JEAN MERMOZ atracado na extremidade do Molhe Salazar, durante um cruzeiro de Verão aos Açores e ao mesmo tempo o navio de passageiros ARNEL, da Empresa Insulana de Navegação, perdido por encalhe em Santa Maria em Setembro de 1958.

Vê-se ainda o paquete LIMA, que serviu a carreira dos Açores com regularidade de 1923 a 1968. Pela proa do JEAN MERMOZ, vê-se ainda o pequeno cargueiro GIRÃO ex-GORGULHO.
The port of Ponta Delgada, St. Michael's Island on 18 August 1957 showing the passenger ships JEAN MERMOZ, LIMA and ARNEL making a busy day at the Salazar Pier...

Texto e imagens /Texto and images copyright L.M.Correia collection. For other posts and images, check our archive at the right column of the main page. Click on the photos to seethem enlarged. Thanks for your visit and comments. Luís Miguel Correia

Tuesday, May 27, 2008

NORGE em Cascais 2008-05-26


Iate Real norueguês NORGE em Cascais a 26 de Maio de 2008, a aguardar o embarque do rei da Noruega, embandeirado em arco...
O navio entra amanhã de manhã em Lisboa e vai estar atracado ao cais de Santa Apolónia até dia 29 às 15h00.
Texto e imagens /Text and images copyright L.M.Correia. For other posts and images, check our archive at the right column of the main page. Click on the photos to see them enlarged. Thanks for your visit and comments. Luís Miguel Correia

Patrulha CUANZA em Cascais


O Patrulha P1144 NRP CUANZA, fotografado em Cascais na tarde de 26 de Maio de 2008, fundeado próximo do iate real NORGE.
Texto e imagens /Text and images copyright L.M.Correia. For other posts and images, check our archive at the right column of the main page. Click on the photos to see them enlarged. Thanks for your visit and comments. Luís Miguel Correia

AVARIAS DA FRAGATA URUGUAY




A Fragata URUGUAY ex NRP COMANDANTE JOÃO BELO registou importantes avarias no casco após colisão no Atlântico Sul com a sua irmã PEDRO CAMPBELL...
Texto copyright L.M.Correia. For other posts and images, check our archive at the right column of the main page. Click on the photos to see them enlarged. Thanks for your visit and comments. Luís Miguel Correia

Colisão das fragatas uruguaias





Imagens da fragata CTE. PEDRO CAMPBELL ex NRP COMANDANTE SACADURA CABRAL após colisão com a sua irmã URUGUAY... Imagens enviadas por um leitor assiduo do blogue a quem agradecemos.
Texto copyright L.M.Correia. For other posts and images, check our archive at the right column of the main page. Click on the photos to see them enlarged. Thanks for your visit and comments. Luís Miguel Correia

Monday, May 26, 2008

Former flagships in Lisbon



Two former flagships in Lisbon on 25 May 2008: the MAXIM GORKIY ex-HAMBURG of 1969, former flagship of the Soviet merchant fleet and the Federal German merchant fleet (1969-1973), and the former Tagus ferries flagship EBORENSE of 1954, now the oldest ferry still in service in Lisbon...
Texto e imagens /Text and images copyright L.M.Correia. For other posts and images, check our archive at the right column of the main page. Click on the photos to see them enlarged. Thanks for your visit and comments. Luís Miguel Correia

Lisbon shipspotting 2008-05-25




The Lisbon shipping scene in photographs, with the cruise ships MAKSIM GORKIY and BLACK WATCH alongside the Alcantara and Rocha cruise terminals framed by arriving cargo ships, the CALA PULA and the OPDR CADIZ...
Texto e imagens /Text and images copyright L.M.Correia. For other posts and images, check our archive at the right column of the main page. Click on the photos to see them enlarged. Thanks for your visit and comments. Luís Miguel Correia

The Norwegian Royal Yacht NORGE in Portugal



The Norwegian Royal Yacht arrived at Cascais, Portugal on 25th May 2008 waiting for His Majesty the King Harald V for a state visit to Portugal on 27 - 29th May.
The NORGE is an extremely beautiful ship, built at Southampton, England by the famous yacht builders Camper & Nicholson's Ltd., to the order of T. Sopwith as the PHILANTE and launched to the water on 17th February 1937.
During WW2 she served in the Royal Navy as an anti-submarine escort and
after the war was purchased by the Norwegian people and offered to the King in 1947 after reconditioning at Southampton as the Royal Yacht NORGE.
She suffered a serious fire on 7th March 1985 but was repaired in order to continue to show the Norwegian flag as the country's Royal Yacht.
The NORGE is operated by the Royal Norwegian Navy (Pennant number N533). With a displacement of 1.786 tons, the 80.2 m long twin screw ship is equiped with 2 Bergen diesel main engines developing 3.520 bhp and attains a service speed of 17 knots.
For additional informations on the NORGE go to the Atlantico Azul blog...
Texto e imagens /Text and images copyright L.M.Correia. For other posts and images, check our archive at the right column of the main page. Click on the photos to see them enlarged. Thanks for your visit and comments. Luís Miguel Correia

Royal Yacht NORGE in close up





Close up views of the Yacht NORGE taken at Cascais 2008-05-25. A very beautiful ship full of maritime traditions...
Texto e imagens /Text and images copyright L.M.Correia. For other posts and images, check our archive at the right column of the main page. Click on the photos to see them enlarged. Thanks for your visit and comments. Luís Miguel Correia

The NORGE lowering the flags




The Royal Yacht NORGE this evening at Cascais lowering her flags at sunset. Note the sailors attending the flag poles to lower the national ensign at the stern and the Norwegian Navy jack at the bow. Both flags were lowered exactly at the same moment, followed by the courtesy flag of Portugal.
Texto e imagens /Text and images copyright L.M.Correia. For other posts and images, check our archive at the right column of the main page. Click on the photos to see them enlarged. Thanks for your visit and comments. Luís Miguel Correia

Norwegian Royal Yacht NORGE at Cascais


The Norwegian Royal Yacht NORGE photographed at anchor at Cascais, Portugal on the night of 25th May 2008.
Texto e imagens /Text and images copyright L.M.Correia. For other posts and images, check our archive at the right column of the main page. Click on the photos to see them enlarged. Thanks for your visit and comments. Luís Miguel Correia

ALMIRANTE GAGO COUTINHO




The Portuguese Navy survey ship ALMIRANTE GAGO COUTINHO (A523) photographed off Lisbon on 25th May 2008. She is the second of two similar sisters of the D. CARLOS I class.
Texto e imagens /Text and images copyright L.M.Correia. For other posts and images, check our archive at the right column of the main page. Click on the photos to see them enlarged. Thanks for your visit and comments. Luís Miguel Correia

Saturday, May 24, 2008

A MARINHA NA MADEIRA 2008

Fragata NRP ÁLVARES CABRAL na baía do Funchal por ocasião das comemorações do Dia da Marinha, ocorrido a 20 de Maio, data em que se comemorou o 510 aniversário de D. Vasco da Gama à India e em simultâneo, o Dia Europeu do Mar. Fotografia enviada por Sérgio Ferreira.
As comemorações tiveram o seu ponto mais alto hoje, 24 de Maio, no Funchal, com uma cerimónia em que o Senhor Almirante CEMA proferiu um discurso que, pela sua importância nos sentimos no dever de aqui reproduzir na integra:

Senhor Ministro da Defesa Nacional
Senhor Representante da República para a Região Autónoma da Madeira
Senhor Presidente da Assembleia Legislativa da Região Autónoma da Madeira
Senhor Presidente do Governo Regional da Madeira
Excelência Reverendíssima Bispo do Funchal
Senhor Presidente da Câmara Municipal do Funchal
Senhor Secretário de Estado da Defesa Nacional e dos Assuntos do Mar
Ilustres Autoridades
Distintos convidados

Enquadramento histórico

O Funchal celebra, neste ano de 2008, 500 anos desde a sua elevação a cidade. Seria sempre um imperativo para a Marinha comemorar esta data. Fazemo-lo com gosto e honrados pelo convite, aqui estamos, de novo, 26 anos volvidos, a celebrar o Dia da Marinha. Nesta oportunidade, cumpre-me agradecer o apoio que desde a primeira hora recebemos do Senhor Presidente do Governo Regional da Madeira, do Senhor Presidente da Câmara Municipal do Funchal, e demais entidades que mostraram inexcedível vontade em nos apoiar nesta iniciativa de trazer a Marinha à Madeira e aos madeirenses.
Foi no Porto Santo, em 1418, que se iniciou a gesta dos descobrimentos quando João Gonçalves Zarco e Tristão Vaz Teixeira ali aportaram no decorrer duma missão de busca aos corsários de Salé. Logo no ano seguinte, com Bartolomeu Perestrelo, vieram à Madeira explorar este lugar estratégico, situado no meio do mar oceano, para servir de base na defesa das nossas costas. Foi o princípio do maior feito dos Portugueses, a epopeia dos descobrimentos, que nos uniu como Nação e nos colocou nas páginas da história da humanidade.
Neste enquadramento, é com muito gosto, que agradeço a V. Ex.ª, Senhor Ministro da Defesa Nacional, a disponibilidade que teve para presidir a esta cerimónia, em que também celebramos 510 anos desde a chegada de Vasco da Gama à Índia, pelo apoio institucional que nos transmite. Ficamos mais confiantes da comunhão do pensamento e da continuidade na acção estratégica para a modernização da Marinha, aspecto essencial para que os Portugueses possam usar o mar na medida das suas necessidades.
Agradeço, também, a todos a disponibilidade que tiveram para estar connosco, nesta cerimónia, e envio uma saudação calorosa, para aqueles que, hoje mesmo, estão a cumprir a sua missão no mar. Muito em especial, lembro os fuzileiros que hoje honram os compromissos de Portugal no Afeganistão.

Senhores Almirantes ex-Chefes de Estado-Maior da Armada
Senhores Generais representantes dos Chefes de Estado-Maior do Exército e da Força Aérea
Senhores Directores-Gerais do Ministério da Defesa Nacional
Senhores comandantes militares na Madeira
Madeirenses e Marinheiros,

Enquadramento estratégico

Se olharmos para o panorama internacional, não será difícil perspectivar a dificilmente evitável ocorrência de acontecimentos que a diplomacia não poderá resolver por si só; de fenómenos que afectam a nossa segurança individual e colectiva e que vão perdurar no tempo com diversos patamares risco e ameaça.
O mundo apresenta, hoje, uma incerteza, imprevisibilidade e diversidade de perigos a que só um leque apropriado de capacidades e a união de esforços, aos níveis interno e internacional, poderão fazer face.
A segurança nacional adquiriu um sentido muito lato, podendo dizer-se que deve exercer-se onde estiverem os nossos interesses.
Trata-se de conceptualizar e tirar daí as necessárias consequências, relativamente às fronteiras alargadas do País, porque hoje não é congruente separar, de modo estanque, a Defesa e o apoio à política externa, da segurança e, também, no nosso caso, da autoridade do Estado no mar.
Isto implica reconhecer a inevitabilidade de, urgentemente, adequar o instrumento militar a novas circunstâncias, cuidando prudentemente do futuro, porque é de todos conhecido que uma Marinha não se pode improvisar.
Se, por um lado, a democracia é a marca da identidade do Portugal moderno, temos que reconhecer que o mar, o nosso mar, pertence ao sentir da Nação, e é a marca do Portugal de sempre; Onde nos distinguimos entre os demais, demos novos mundos ao mundo e onde sempre encontrámos válidas alternativas para as “apoquentações” que ciclicamente nos visitam. Hoje, continua a ser assim. É por onde circula a esmagadora maioria do nosso comércio externo, contribui com 11% para o PIB, 90% do turismo, 17% dos impostos cobrados e 12% do emprego. É, também, pelo nosso mar que passam 53% das mercadorias de e para a Europa. É também ele que une o todo Nacional e grande parte da nossa diáspora.
Por tudo isto, julgamos poder afirmar, com toda a certeza, que os recursos nele dispendidos, não são uma despesa mas antes um investimento. Um investimento também na segurança, que é o pilar essencial onde assenta o desenvolvimento.

Índole e actuação da Marinha

O modelo português de imposição da autoridade do Estado nos espaços marítimos, foi aperfeiçoado ao longo de séculos e é hoje exemplo para outros países. Neste modelo, a Marinha detém responsabilidades que se estendem desde as praias e domínio público hídrico, até aos confins da zona económica exclusiva e das áreas de busca e salvamento. Contando com as águas sob nossa soberania e jurisdição situamo-nos hoje entre a primeira dúzia de estados do mundo. Há um enorme potencial a explorar, atestado, também, pelo facto de não haver um único dia em que não contemos, nas nossas águas, com navios de investigação científica estrangeiros. A Marinha, a vossa marinha, procura rentabilizar os recursos que os portugueses nos disponibilizam. Com os mesmos meios, desempenha, em simultâneo, funções de defesa e de apoio à política externa, de imposição da autoridade do Estado no mar e, ainda, da sua investigação e desenvolvimento. É o que designamos por uma Marinha de duplo uso, que agrupa as duas vertentes referidas _ uma de índole “militar” e outra de carácter “civil”- numa lógica de integração e complementaridade visando a optimização de recursos.
Mas existem muitos outros actores com protagonismo no mar. Hoje, o instrumento essencial para evitar o desperdício, chama-se cooperação. Todos dependem de todos e todos não são suficientes para acorrerem a todas as necessidades. Recentemente, após muitos anos de estéreis discussões, deu-se um passo de enorme importância no sentido da modernidade, com a regulamentação das missões que cada um deve desempenhar, e a criação do Centro Nacional Coordenador Marítimo, organismo potenciador do desempenho cooperativo. Dispensam-se assim outros organismos do Estado de replicarem meios que já existem, poupando recursos escassos e dispendiosos. Este é, no meu entendimento, o único caminho a percorrer de forma a salvaguardar os nossos interesses no mar, a custos comportáveis, explorando as sinergias e evitando desperdícios.
Mas, para que este modelo possa funcionar, é também necessário que se disponha de uma Marinha que corresponda às necessidades actuais do País e dos espaços onde nos integramos, designadamente a União Europeia e a NATO, assente na robustez de três pilares fundamentais: a organização e doutrina, os meios e as pessoas.

Organização e doutrina

No âmbito do primeiro pilar, está em curso uma revisão profunda da estrutura superior da Defesa Nacional e das Forças Armadas.
A Marinha encontra-se vinculada, desde o início, à construção de um edifício legal moderno, adaptado às nossas circunstâncias e às exigências do novo ambiente de segurança internacional.
A problemas cada vez mais complexos, terá que corresponder um processo de consultas político-militares cooperativo, sólido e abrangente, que permita identificar sempre a melhor solução.
Em paralelo, para podermos dar resposta a um crescente número de solicitações, da mais diversa origem, haverá que tornar mais simples, flexível e eficaz o uso das capacidades disponíveis, no respeito pela identidade e cultura própria dos Ramos.
Aqui, temos a vantagem de podermos ajustar o nosso modelo à experiência de outros e, não repetir erros perfeitamente evitáveis.
Adaptaremos, assim, a nossa organização, procurando servir, ainda melhor, Portugal e os portugueses. Estamos nisso empenhados. Há muitos séculos; quase tantos como os que conta a nacionalidade. Conhecemos os ventos favoráveis à nossa rota. Só esses nos servem, porque sabemos muito bem onde estamos e para onde queremos ir.

Material

Em relação ao material, disse há dois anos, aquando da aprovação da nova Lei de Programação Militar, que os programas nela inscritos “representam um enorme alento e uma acrescida responsabilidade para a Marinha e para todos os marinheiros”. A nova Esquadra terá mais capacidade de intervenção dentro e fora do País, num leque mais alargado de situações, com maior influência nos acontecimentos e mais visibilidade para Portugal”.
Contudo, passados que estão dois anos, falta ainda concretizar parte significativa do plano.
Se é certo que dentro de seis semanas teremos o lançamento à água do primeiro dos novos submarinos, o N.R.P. Tridente, e no fim deste ano iremos receber a primeira das duas fragatas adquiridas à Holanda, o N.R.P. Bartolomeu Dias, continuam por operacionalizar três importantes programas de meios navais: o Navio Polivalente Logístico, (o mais conjunto de todos os meios do sistema de forças) as Lanchas de Fiscalização Costeira e os Navios de Patrulha Oceânica.
Existem recursos e capacidade. Há que decidir para que se possa passar da virtualidade ao concreto!
O Navio Polivalente Logístico, é essencial para a capacidade expedicionária nacional. Poderá transportar meios do Exército, e da Força Aérea e potenciará o emprego dos nossos Fuzileiros bem como o apoio às populações, como plataforma de protecção civil e apoio sanitário em caso de catástrofe ou acidente. Assumimos que o conjunto é a forma de emprego mais eficaz das Forças Armadas. Por isso, não podemos, nem devemos, adiar por mais tempo a obtenção da mais conjunta capacidade do sistema de forças nacional.
No âmbito da fiscalização, atingimos uma situação insustentável no que respeita à manutenção dos actuais Patrulhas da classe “Cacine”, [que acabou de completar 39 anos de serviço].. A sua substituição é urgente, pelo que a assinatura do contrato de construção das Lanchas de Fiscalização Costeira é inadiável.
Só com os novos navios poderemos reforçar o dispositivo, o que, no caso da Madeira, se justifica plenamente há muitos anos, pela vastidão e sensibilidade da sua zona económica exclusiva.
Finalmente, no caso dos Patrulhas Oceânicos, as duas primeiras unidades encontram-se a nado há três anos, num longo processo em que estamos a envidar todos os esforços para que chegue a bom porto. A Marinha e o País precisam destes navios. Confio que, durante o próximo ano, seremos capazes de os aumentar ao efectivo da Armada e continuar o processo de construção das restantes unidades previstas.
É com especial satisfação que dou público conhecimento que um dos futuros NPO será baptizado com o nome “Funchal” como homenagem sincera às gentes da Madeira que sempre acolheram a sua Marinha com o carinho que só os do mar sabem dispensar e compreender.
Mas de nada servirá ter navios, se não os soubermos manter. Por isso, é essencial transformar o Arsenal do Alfeite num estaleiro moderno e competitivo investindo os recursos necessários nos seus trabalhadores e equipamento. Esta é uma reforma crucial que temos que concretizar rapidamente.

Pessoal

Se a renovação da Esquadra é inadiável, ela não pode ser dissociada de um incremento significativo da capacidade de recrutar e reter as pessoas que são indispensáveis ao cuidado acrescido com o material de alta tecnologia de que dispomos. Para isso, há que tornar mais apelativa uma profissão exigente e difícil, onde o mar impõe as suas regras e onde a família e o tempo livre ficam sempre em segundo plano.
Como sabem, está em curso um estudo com o objectivo definido de “corporizar um modelo de carreiras moderno que promova a valorização da condição militar e faça face às expectativas dos militares”.
São aspectos fundamentais para todos, mas muito em especial para a motivação dos que servem no mar. Assim, estamos empenhados em aproveitar esta revisão para resolver os problemas identificados, reconhecendo e valorizando a sua especificidade.
Ao longo deste processo, temos contribuído de forma empenhada para que daqui possa resultar um novo enquadramento legal que potencie o desempenho dos que servem nas Forças Armadas. Porém, não poderemos esquecer os que deram o melhor de si servindo Portugal, e a necessidade de continuar a atrair os nossos melhores jovens e, assim, assegurar o futuro. Para tal, há que reencontrar o justo equilíbrio entre deveres, direitos e recompensas, designadamente nas retribuições como indica, sem margem para dúvidas, o “benchmarking” com países vizinhos e aliados. É óbvio que não será possível fazê-lo de uma só vez, mas tal será incontornável.
Outro aspecto crucial para a motivação e disponibilidade para a missão dos militares embarcados, é a garantia do apoio aos seus familiares, através dos organismos vocacionados para esse fim, sendo neste caso, a saúde determinante.
Dado o contexto que todos conhecemos, há que inverter rapidamente a situação de falta de confiança dos prestadores de serviços e dos utentes, e ter em conta esta lição aprendida em outras intenções de centralização.

Motivação e estímulo

Ilustres convidados, Minhas Senhoras e Meus Senhores, permitam-me que me dirija agora aos marinheiros.

Militares, Militarizados e civis da Marinha,

O Dia da Marinha é o nosso dia de festa. O dia em que mostramos aos nossos concidadãos o que fazemos e o balanço do que fizemos. Posso afirmar que foi muito, mas que muito mais falta fazer!
De facto, durante o último ano, os navios, as unidades de fuzileiros e de mergulhadores, os meios da Autoridade Marítima e do Instituto Hidrográfico, cumpriram, ao serviço de Portugal e dos Portugueses, uma intensa actividade de que nos podemos orgulhar.
Apesar da conjugação desfavorável de alguns factores, de que realço o progressivo envelhecimento dos meios navais; os limites do orçamento para Operação e Manutenção [de facto voltou ao nível de 2004], e o aumento do preço dos combustíveis, conseguimos um desempenho de nível mais elevado, bem visível no número de unidades com missão atribuída que atingiu uma média de 10 navios por dia nos 365 dias do ano. Poucas marinhas se podem orgulhar deste ratio operacional!
No que respeita à salvaguarda da vida humana no mar, salvámos 1067 vidas em perigo, com uma taxa de sucesso de 95.2%. Este é um resultado que se situa ao nível dos melhores do mundo e que hoje tenho a honra de anunciar e sublinhar, em especial, para aqueles que nada sabendo fazer, tudo sabem criticar. Digo-o com orgulho, porque resulta do empenho de todos _marinheiros anónimos_ que dão o seu melhor ao serviço do País “ sem cuidar de recompensa”. Também cometemos erros, como todos os que produzem, mas teremos, sempre, a humildade de os reconhecer e corrigir.

Futuro

No próximo ano teremos um ambicioso programa a cumprir, que vai exigir muito de todos nós. Realço, apenas, as duas missões seguintes:
› Em Janeiro de 2009 assumiremos o comando de uma das Forças Navais Permanentes da NATO, que já comandámos por duas vezes. Trata-se, antes de mais, de corresponder às responsabilidades do Estado para com a aliança que nos vem mantendo as ameaças e os conflitos afastados das nossas fronteiras e de reafirmar e projectar a nossa capacidade no plano internacional. Estou certo que vamos conseguir vencer este importante desafio e evidenciar que a qualidade dos nossos navios e guarnições se situa entre as melhores.
› A fase final dos trabalhos relativos à extensão da plataforma continental vai ainda exigir um grande esforço aos navios hidro-oceanográficos. Pelo que já é conhecido, é um esforço compensador, porque nos vai permitir estender a exclusividade do aproveitamento do solo e subsolo marinhos nalguns casos até às 350 milhas da costa, numa área que, no mínimo aumentará a nossa responsabilidade em cerca de 250.000 Km2 (2.5 vezes a área de Portugal continental). Para as guarnições dos navios hidrográficos quero dirigir uma palavra de estímulo para as tarefas que estão a cumprir.
Para além destas missões especiais, teremos sempre uma força naval pronta para zarpar do Tejo em 48 horas e continuaremos a cumprir um dispositivo que cobre, no mar, todas as parcelas do território nacional, 24 horas por dia, 365 dias por ano, num esforço de presença e de imposição da lei que tem conseguido dissuadir e reprimir o uso ilícito dos nossos espaços marítimos e, simultaneamente, garantir a busca e salvamento e a preservação do ambiente.

Uma Marinha pronta ao serviço do País

Senhor Ministro da Defesa Nacional,

Perspectivamos uma Marinha equilibrada e de duplo uso que pode intervir em missões muito diversificadas, de interesse público militar ou não militar, face ao conjunto alargado de capacidades de que dispõe, e que potencia as sinergias existentes e a decorrente economia de recursos, ao assumir simultaneamente a maior parte das funções típicas das Guardas Costeiras.
Temos uma Marinha em fase de progressiva modernização dos seus meios.
Temos uma Marinha conceptualmente de vanguarda, ajustada às novas ameaças, muito experimentada na cooperação internacional, que entende a imprescindibilidade da colaboração com outros departamentos do Estado e a pratica no quadro do Sistema de Autoridade Marítima.
Temos uma Marinha que usa, com utilidade, todos os seus recursos em tempo de paz e está também adequadamente treinada para participar em missões de apoio à paz, em gestão de crises e em zonas de conflito armado.
Como seu responsável máximo posso garantir que a Marinha continuará firme na defesa, empenhada na segurança e parceira no desenvolvimento, ao serviço de Portugal, sempre!

Viva a Marinha! Viva Portugal!

Fernando de Melo Gomes - Almirante



NAVIOS-ESCOLA NO DIA DA MARINHA





Os navios de vela mais emblemáticos da Marinha Portuguesa, a SAGRES e o CREOULA são estrelas no Porto do Funchal, como se pode aferir destas fotografias de Sérgio Ferreira.
Texto de /Text by L.M.Correia. Photos by Sérgio Ferreira. For other posts and images, check our archive at the right column of the main page. Click on the photos to see them enlarged. Thanks for your visit and comments. Luís Miguel Correia

CREOULA NO DIA DA MARINHA

O lugre CREOULA à chegada ao Funchal
para as comemorações do Dia da Marinha
de 2008, numa fotografia de Sérgio Ferreira.
Mais imagens no blogue do CREOULA aqui.
Texto de /Text by L.M.Correia. Photos by Sérgio Ferreira.
For other posts and images, check our archive at the right column of the main page. Click on the photos to see them enlarged.
Thanks for your visit and comments. Luís Miguel Correia

FESTA DO MAR NO FUNCHAL




Vistas panorâmicas da esquadra portuguesa atracada no molhe da Pontinha para as comemorações do Dia da Marinha 2008.
Fotos de Sérgio Ferreira tiradas a 23 de Maio de 2008. Vale a pena ir ao blogue do Sérgio, aqui...
Texto de Luís Miguel Correia com fotografias de Sérgio Ferreira. For other posts and images, check our archive at the right column of the main page. Click on the photos to see them enlarged. Thanks for your visit and comments. Luís Miguel Correia

Friday, May 23, 2008

PRINSENDAM leaving Lisbon 2008-05-23



The Holland America Line cruise ship PRINSENDAM sailing from Lisbon on 23 May 2008 after an overnight stay.
Built in Finland for the old Royal Viking Line as ROYAL VIKING SUN, the PRINSENDAM is the smallest member of the Hoolland America fleet.
On the first photograph, the BRILLIANCE of the SEAS can also be seen at the stern of the PRINSENDAM.
Texto e imagens /Text and images copyright L.M.Correia. For other posts and images, check our archive at the right column of the main page. Click on the photos to see them enlarged. Thanks for your visit and comments. Luís Miguel Correia

DIA DA MARINHA NO FUNCHAL

Concentração de navios de guerra portugueses no porto do Funchal para as comemorações do Dia da Marinha de 2008.
De cima para baixo, a corveta JOÃO ROBY, o submarino BARRACUDA, a corveta ANTÓNIO ENES, os navios escola CREOULA e SAGRES com o BARRACUDA...
Fotografias enviadas por Sérgio Ferreira do Funchal. Mais fotos no blog SÉRGIO CRUISES, ver link na coluna da direita em "portos de escala"...