Saturday, November 19, 2011

ALCOUTIM ex-Fort Fidler da Sociedade Geral

Durante a Segunda Guerra Mundial os principais países marítimos Aliados efectuaram um esforço titânico de construção de navios mercantes em série destinados a substituírem as unidades afundadas na guerra submarina e prosseguirem o esforço de guerra. Os Estados Unidos da América lideraram este processo com a construção em série de 2500 cargueiros de 10.000 TDW da classe LIBERTY e diversas centenas de petroleiros classe T2, para além de muitas outras classes, como a classe VICTORY, já mais no final do conflito. O Canadá também participou deste esforço e uma das classes de navios de origem canadiana foi a classe FORT dos quais o FORT FIDLER, de 1943 foi comprado em 1946 pela Sociedade Geral e reconstruído no Tejo com o nome ALCOUTIM, integrando a frota da SG até Outubro de 1971, quando foi vendido para sucata em Espanha.
Durante alguns anos o maior navio da Sociedade Geral, o ALCOUTIM foi construído em Vancouver e entregue a Inglaterra em Maio de 1943 com o nome FORT FIDLER. Durante a guerra o navio foi torpedeado no Mediterrâneo evitando-se o seu afundamento. O navio acabou por arribar a Lisboa com avaria grossa no casco e terminada a guerra foi comprado pela SG. A recuperação do ALCOUTIM no estaleiro da CUF foi na altura um feito da engenharia naval portuguesa e obrigou à reconstrução parcial do casco e instalação de uma proa nova.
Texto e imagens /Text and images copyright L.M.Correia. Favor não piratear. Respeite o meu trabalho / No piracy, please. For other posts and images, check our archive at the right column of the main page. Click on the photos to see them enlarged. Thanks for your visit and comments. Luís Miguel Correia

1 comment:

Luis Filipe Morazzo said...

Caro LMC

Só não concordo com a frase, arribar a Lisboa, pois o "Fort Fidler" futuro "Alcoutim ", como dissestes e bem, foi vitima de torpedeamento ao largo da costa de Oran em 14-5-44, quando fazia parte do comboio GUS-39, na altura a navegar entre Taranto e Hampton Roads. Naquelas horas, isso sim, conseguiu por milagre arribar a Oran, mas foi preciso esperar quase um ano, 1-3-45, para o vermos entrar em Lisboa, pela primeira vez, a reboque, a fim de se tornar o maior navio da SG do pós guerra.

Saudações marinheiras

Luis Filipe Morazzo