Tuesday, September 15, 2020

Folclore, medo, ignorância


Medo dos "navios malditos." Ignorância face à realidade. Os navios de cruzeiros proibidos nos portos portugueses desde Março. Agora até 30 de Setembro. 
O folclore de decisões ao mais alto nível por entidades de nível duvidoso. Decidido prolongar a interdição "do desembarque e licenças para terra de passageiros e tripulações dos navios de cruzeiro nos portos nacionais devido à pandemia". Escreve quem manda que “A experiência internacional demonstra o elevado risco decorrente do desembarque de passageiros e tripulações dos navios de cruzeiro.” 
Garanto que os milhares de passageiros neste momento a fazerem mais um cruzeiro de sonho no Mediterrâneo a bordo do paquete MSC GRANDIOSA estão muitas vezes mais seguros que os passageiros acabados de embarcar no cacilheiro que vai partir do Cais do Sodré para Cacilhas, ou os utentes do comboio neste momento a rodar entre Lisboa e Cascais. 
A Peste do covid-19 segue as linhas do politicamente correto face aos navios de cruzeiros, na sequência de campanhas contra os navios por razões de protecção da natureza e outras lides dos breviários ecologistas. A natureza é para acarinhar, os cuidados contra a peste são para ter em conta, mas os navios não são os maus da fita. Se calhar, serão vítimas de todas as ignorâncias em que se baseiam as decisões que nos condicionam os dias. 
Os navios de cruzeiros estão a regressar às viagens de recreio, como prova de coragem de companhias que querem recomeçar para não se deixarem morrer. A grande coragem da MSC ao voltar ao Mediterrâneo, numa nova operação em que todos os cuidados excedem os riscos não pode ser ignorada. Um investimento enorme na reafirmação do regresso dos cruzeiros. Outras companhias estão a seguir o exemplo da MSC. Muitos portos encerrados, mas já há os suficientes para um belo cruzeiro pelo Mediterrâneo. Quem me dera estar a navegar neste momento.
Texto e imagens /Text and images copyright L.M.Correia. Favor não piratear. Respeite o meu trabalho, se descarregar imagens para uso pessoal sugere-se que contribua para a manutenção deste espaço fazendo um donativo via Paypal, sugerindo-se €1,00 por imagem retirada. Utilização comercial ou para fins lucrativos não permitida (ver coluna ao lado) / No piracy, please. If photos are downloaded for personal use we suggest that a small contribution via Paypal (€1,00 per image or more). Photos downloaded for commercial or other profit making uses are not allowed. For other posts and images, check our archive at the right column of the main page. Click on the photos to see them enlarged. Thanks for your visit and comments. Luís Miguel Correia

Wednesday, September 09, 2020

BANDEIRAS NAVAIS PORTUGUESAS

O sítio da internet da Associação Nacional de Cruzeiros tem uma página dedicada ao tema BANDEIRAS NAVAIS PORTUGUESAS que é extremamente interessante e merece uma visita. 
Faz falta um trabalho semelhante dedicado à Marinha Mercante e de Pesca. Ante que se percam na totalidade as tradições a que já ninguém liga.
Texto e imagens /Text and images copyright L.M.Correia. Favor não piratear. Respeite o meu trabalho, se descarregar imagens para uso pessoal sugere-se que contribua para a manutenção deste espaço fazendo um donativo via Paypal, sugerindo-se €1,00 por imagem retirada. Utilização comercial ou para fins lucrativos não permitida (ver coluna ao lado) / No piracy, please. If photos are downloaded for personal use we suggest that a small contribution via Paypal (€1,00 per image or more). Photos downloaded for commercial or other profit making uses are not allowed. For other posts and images, check our archive at the right column of the main page. Click on the photos to see them enlarged. Thanks for your visit and comments. Luís Miguel Correia

CARNIVAL IMAGINATION rumo à sucata

Prossegue a venda para sucata de navios de passageiros vocacionados para cruzeiros. O próximo a encalhar na praia sinistra de Aliaga, na Turquia, será o paquete CARNIVAL INSPIRATION, de 70.367 GT (arqueação bruta), que foi construído na Finlândia em 1995 e tem capacidade para 2052 passageiros. 
O CARNIVAL INSPIRATION estava baseado em Los Angeles, a partir de cujo porto fazia cruzeiros de 3 e 4 dias ao México. Depois de imobilizado em Curaçau na sequência da pandemia viral mundial, o navio largou de  Willemstad a 27 de Agosto numa derradeira viagem até Aliaga, na Turquia, onde tem previsão de chegada a 14 de Setembro e se deverá juntar aos gémeos CARNIVAL FANTASY e CARNIVAL IMAGINATION, que estão a ser desmantelados neste momento. 
O CARNIVAL INSPIRATION navega a cerca de 10 nós no Mediterrâneo, próximo da costa da Argélia
Texto e imagens /Text and images copyright L.M.Correia. Favor não piratear. Respeite o meu trabalho, se descarregar imagens para uso pessoal sugere-se que contribua para a manutenção deste espaço fazendo um donativo via Paypal, sugerindo-se €1,00 por imagem retirada. Utilização comercial ou para fins lucrativos não permitida (ver coluna ao lado) / No piracy, please. If photos are downloaded for personal use we suggest that a small contribution via Paypal (€1,00 per image or more). Photos downloaded for commercial or other profit making uses are not allowed. For other posts and im


ages, check our archive at the right column of the main page. Click on the photos to see them enlarged. Thanks for your visit and comments. Luís Miguel Correia

Tuesday, September 08, 2020

Barca PEKING (1911) voltou a Hamburgo

A barca de 4 mastros PEKING, construída em 1911 no estaleiro alemão Blohm & Voss , em Hamburgo, para a famosa companhia de navegação F Laeisz voltou a Hamburgo pela primeira vez, desde 1931, data da sua venda aos ingleses para navio-escola. 
Em 1970 foi comprada pelo South Street Seaport Museum de Nova Iorque, mas a falta de meios para a sua manutenção e restauro, levaram mais recentemente à aquisição do navio pelos alemães, com o apoio do Governo Federal, e à sua restauração.
https://www.ndr.de/geschichte/schiffe/peking165_backId-peking1810.html#content






















Texto e imagens /Text and images copyright L.M.Correia. Favor não piratear. Respeite o meu trabalho, se descarregar imagens para uso pessoal sugere-se que contribua para a manutenção deste espaço fazendo um donativo via Paypal, sugerindo-se €1,00 por imagem retirada. Utilização comercial ou para fins lucrativos não permitida (ver coluna ao lado) / No piracy, please. If photos are downloaded for personal use we suggest that a small contribution via Paypal (€1,00 per image or more). Photos downloaded for commercial or other profit making uses are not allowed. For other posts and images, check our archive at the right column of the main page. Click on the photos to see them enlarged. Thanks for your visit and comments. Luís Miguel Correia

Sunday, July 05, 2020

Abril de 1974: Cento e treze navios

O Jornal do Comércio, de Lisboa, durante mais de um século o principal diário português dedicado às actividades económicas, que se publicou de 1853 a 1977, deu sempre grande destaque aos transportes marítimos e marinha mercante.
Não me lembro quando comecei a gostar de ler o JORNAL DO COMÉRCIO, mas se a memória não falha, foi uma descoberta durante uma visita ao escritório do meu Pai, onde havia uma assinatura dessa prestimosa publicação, teria eu os meus 10 anos, se tanto.
Um dos atractivos da leitura do jornal era a rubrica diária com a posição dos navios de comércio portugueses, de que reproduzo a relativa a 5 de Abril de 1974, por mim recortada na altura, datada e arquivada.
As posições dos navios eram apresentadas segundo as carreiras em que operavam, e em Abril de 1974, a lista incluía 113 navios. Esta lista era a reprodução da lista oficial, publicada diariamente pela Junta Nacional da Marinha Mercante, organismo que em dada altura me passou a enviar essa informação todos os dias por correio.
A frota existente em 1974 apresentava muitos navios de carga, em parte aquisições recentes, embora a frota de navios de passageiros já tivesse sido muito reduzida, e em vias de ser ainda mais, sobrevivendo poucos anos depois apenas o FUNCHAL e o PONTA DELGADA, que acabaram vendidos nos leilões das liquidações de 1985, embora tenham sido comprados por outros armadores.
Fotografia do paquete ANGRA DO HEROÍSMO, da Empresa Insulana, que seria vendido para sucata em Abril de 1974, com apenas 18 anos de idade.
Texto e imagens /Text and images copyright L.M.Correia. Favor não piratear. Respeite o meu trabalho, se descarregar imagens para uso pessoal sugere-se que contribua para a manutenção deste espaço fazendo um donativo via Paypal, sugerindo-se €1,00 por imagem retirada. Utilização comercial ou para fins lucrativos não permitida (ver coluna ao lado) / No piracy, please. If photos are downloaded for personal use we suggest that a small contribution via Paypal (€1,00 per image or more). Photos downloaded for commercial or other profit making uses are not allowed. For other posts and images, check our archive at the right column of the main page. Click on the photos to see them enlarged. Thanks for your visit and comments. Luís Miguel Correia

WORLD EXPLORER em Viana do Castelo









O navio de cruzeiros português WORLD EXPLORER atracado em Viana do Castelo em Junho de 2020: a pandemia de Covid-19 refletiu-se na operação do WORLD EXPLORER para 2020 (a totalidade da frota mundial de navios de cruzeiros está parada), e, depois de concluir o fretamento para a Quark, saiu de Ushuaia a 18 de Março, sem passageiros, numa travessia posicional direta para Viana do Castelo, onde se encontra desde 7 de Abril. 
No estaleiro construtor aproveitou-se esta paragem forçada pelas circunstâncias para pequenas reparações, ajustamentos e melhorias, habituais num navio protótipo após as primeiras viagens, aguardando agora o WORLD EXPLORER que o mercado de cruzeiros retome a sua dinâmica na Europa. Fotografia original de Luís Miguel Correia

Características principais do n/m WORLD EXPLORER 

Tipo: navio de passageiros de cruzeiros polares

Projeto: arquiteto naval Giuseppe Tringali

Construção: estaleiro WestSea, Viana do Castelo (constr. n.º 010)

Assentamento da quilha: 13-10-2017

Batismo: 6-04-2019 no estaleiro de Viana

Madrinha: Carla Bruni Sarkozy. 

Entrada ao serviço: 1-08-2019

Armador: Mystic Cruises S.A., Porto

Bandeira: Portuguesa (registo internacional da Madeira)  N.º IMO: 9835719

Arqueação bruta / líquida: 9923 GT / 2978 NT  Porte bruto: 1150 toneladas

Deslocamento leve / máximo: 5525 / 6675 T

Comprimento f.f.: 126,00 m  Comprimento p.p.: 113,15 m

Boca na ossada: 19,00 m (25,00 m máx.) Pontal na ossada: 7,00 m Calado: 4,75 m

Propulsão híbrida diesel-eletrica Rolls Royce, com 2 motores principais diesel Bergen C2533L8P e 1 gerador auxiliar Bergen C2533L6P ligados a 1 motor eletrico de baixa voltagem FIFE «Savecube», com a potência instalada de 7330 kw, 2 hélices de passo variável. Velocidade máxima: 16 nós. 

Passageiros / Tripulantes: 200 / 111 Custo: €80.000.000

Texto e imagens /Text and images copyright L.M.Correia. Favor não piratear. Respeite o meu trabalho, se descarregar imagens para uso pessoal sugere-se que contribua para a manutenção deste espaço fazendo um donativo via Paypal, sugerindo-se €1,00 por imagem retirada. Utilização comercial ou para fins lucrativos não permitida (ver coluna ao lado) / No piracy, please. If photos are downloaded for personal use we suggest that a small contribution via Paypal (€1,00 per image or more). Photos downloaded for commercial or other profit making uses are not allowed. For other posts and images, check our archive at the right column of the main page. Click on the photos to see them enlarged. Thanks for your visit and comments. Luís Miguel Correia

Monday, June 15, 2020

Portugal vigilante

Capa da edição n.º 79 da REVISTA DE MARINHA (1940), com a Europa em guerra e o Aviso AFONSO DE ABUQUERQUE fundeado na baía do Funchal. A nossa Armada estava razoavelmente apetrechada de navios modernos, mas a Marinha Mercante nacional era insuficiente e foi obrigada a um ritmo de serviço exaustivo, ao mesmo tempo que se foi comprando a qualquer preço o pouco que foi possível adquirir. O maior problema acabou por resultar da inexistência de navios petroleiros portugueses, o que obrigou a afretamentos por preços inimagináveis e a racionamentos. Na altura aprendeu-se a lição e em 1947 foi fundada a SOPONATA - Sociedade Portuguesa de Navios Tanques, que durou até 2004. Hoje estamos em pior situação do que em 1939 no que toca a transportes marítimos. Não temos um único petroleiro digno desse nome e os outros navios são quase nada. Mas ninguém parece estar preocupado. Um dia ainda vamos pagar caro.
Texto e imagens /Text and images copyright L.M.Correia. Favor não piratear. Respeite o meu trabalho, se descarregar imagens para uso pessoal sugere-se que contribua para a manutenção deste espaço fazendo um donativo via Paypal, sugerindo-se €1,00 por imagem retirada. Utilização comercial ou para fins lucrativos não permitida (ver coluna ao lado) / No piracy, please. If photos are downloaded for personal use we suggest that a small contribution via Paypal (€1,00 per image or more). Photos downloaded for commercial or other profit making uses are not allowed. For other posts and images, check our archive at the right column of the main page. Click on the photos to see them enlarged. Thanks for your visit and comments. Luís Miguel Correia

Saturday, June 06, 2020

Porto de Lisboa: manhã de 19 de Agosto de 1966



Três grandes navios mercantes portugueses, todos novos à data desta imagem preciosa: FUNCHAL de 1961, atracado ao cais de Santos (cais privativo da Insulana); INFANTE DOM HENRIQUE, também de 1961, fundeado após ter chegado nessa manhã da sua última ida a Cádis para docar (a docagem seguinte será já na Lisnave Margueira); JECI, de 1966, a subir o Tejo pela primeira vez, vindo do Japão onde acabara de ser construído para a SOPONATA, nessa manhã de 19 de Agosto de 1966. 
A ponte Salazar acabara de ser aberta 13 dias antes, o paquete IMPÉRIO vinha também de entrada, procedente de Leixões, tendo largado no dia seguinte para África Oriental, como se pode ver numa outra fotografia da chegada do JECI que publiquei no meu livro SOPONATA 1947-1997
O INFANTE DOM HENRIQUE está fundeado a meio do Tejo, durante a estadia habitual entre viagens na carreira Lisboa - Beira (concluiu a viagem anterior a 3 de Agosto e no dia 8 fez um cruzeiro ao largo de Cascais para 1000 convidados do Ministro da Marinha em comemoração da inauguração da ponte sobre o Tejo), e saiu, a 26 de Agosto, para a Beira, com as escalas habituais pelo Funchal, Luanda, Lobito, Cabo e Lourenço Marques. Era frequente, durante as estadias, os nossos maiores navios de passageiros passarem um dia ou dois fundeados ao largo no Tejo, por falta de cais. Nessas situações, as tripulações seguiam de bordo para terra e vice-versa, nos rebocadores e lanchas da Companhia Colonial, o mais importante dos quais, o rebocador de alto-mar MONSANTO, se pode ver ao costado do paquete na imagem. 
O FUNCHAL estava imobilizado, com as caldeiras avariadas desde 3 de Julho de 1966, só tendo regressado à carreira das Ilhas e aos Cruzeiros, a 7 de Abril de 1967. Esteve atracado ao cais de Santos muito poucas vezes, pois o cais privativo da Insulana era nesta altura utilizado principalmente pelos paquetes CARVALHO ARAÚJO e LIMA, pelo cargueiro TERCEIRENSE e pelos navios de passageiros do serviço entre ilhas dos Açores, à data os navios CEDROS e PONTA DELGADA, que vinham a Lisboa regularmente para docagem e reparações. O FUNCHAL atracava habitualmente na Doca de Alcântara, cais sul, junto à ponte giratória da Rocha. Passou grande parte desta primeira imobilização técnica no Mar da Palha. Atracar em Santos para o FUNCHAL, só depois de o cais ter sido dragado recentemente.
O JECI (1966-1985) era em 1966 o maior navio português de sempre, (o que se alterou em 1969 com a aquisição do LAROUCO); seria em 1985 o maior navio até hoje demolido em Alhos Vedros, pela firma de sucateiros Baptistas.
Esta é uma das fotografias históricas que integram a colecção Luís Miguel Correia, e que tanto prazer me dão, a estudar e datar quando possível. Em alguns casos, levo anos até conseguir obter essas informações complementares, que tornam esta ou aquela imagem ainda mais rica. Espero que muitas delas venham a integrar livros novos num futuro próximo.
Texto e imagens /Text and images copyright L.M.Correia. Favor não piratear. Respeite o meu trabalho, se descarregar imagens para uso pessoal sugere-se que contribua para a manutenção deste espaço fazendo um donativo via Paypal, sugerindo-se €1,00 por imagem retirada. Utilização comercial ou para fins lucrativos não permitida (ver coluna ao lado) / No piracy, please. If photos are downloaded for personal use we suggest that a small contribution via Paypal (€1,00 per image or more). Photos downloaded for commercial or other profit making uses are not allowed. For other posts and images, check our archive at the right column of the main page. Click on the photos to see them enlarged. Thanks for your visit and comments. Luís Miguel Correia

Wednesday, May 20, 2020

Navio-motor SELANDIA de 1912


Navio de carga e passageiros dinamarquês SELANDIA, da companhia East Asiatic, de Copenhaga, construído nos estaleiros Burmeister & Wain e entregue em Fevereiro de 1912. 
É considerado o primeiro navio mercante de longo curso equipado com motores Diesel, embora já existissem alguns navios mais pequenos anteriores, mas que não atingiram a notoriedade do SELANDIA.

O SELANDIA tinha 6800 toneladas de porte bruto, 4964 toneladas de arqueação bruta e estava equipado com dois motores B&W de 4 cilindros e 1250 bhp. Com 2 hélices, navegava a 12 nós e tinha a particularidade de não ter chaminé, pois os gases dos motores eram expelidos para o exterior a partir de uma abertura no mastro. Fazia a carreira Copenhaga - Bangkok e além da carga geral, tinha acomodações de luxo para 20 passageiros. 
O novo sistema de propulsão diesel apresentava muitas vantagens, nomeadamente 40% de economia de combustível face aos navios de vapor a carvão, tinha tripulação mais reduzida, e tornou-se muito popular após a primeira guerra mundial.
O SELANDIA integrou a frota da East Asiatic Company até 1936, quando foi vendido a interesses escandinavos, passando a chamar-se NORSEMAN com registo do Panamá. Em 1940 foi comprado pela Finland Amerika Line, e mudou o nome para TORNATOR, com que se perdeu, por encalhe no Japão, a 26 de Janeiro de 1942, quando navegava da China para o Japão, com um carregamento de sal.
Texto e imagens /Text and images copyright L.M.Correia. Favor não piratear. Respeite o meu trabalho, se descarregar imagens para uso pessoal sugere-se que contribua para a manutenção deste espaço fazendo um donativo via Paypal, sugerindo-se €1,00 por imagem retirada. Utilização comercial ou para fins lucrativos não permitida (ver coluna ao lado) / No piracy, please. If photos are downloaded for personal use we suggest that a small contribution via Paypal (€1,00 per image or more). Photos downloaded for commercial or other profit making uses are not allowed. For other posts and images, check our archive at the right column of the main page. Click on the photos to see them enlarged. Thanks for your visit and comments. Luís Miguel Correia

Friday, May 08, 2020

Lancha em Cádis


Viajar: fisicamente, num navio, um porto algures no estrangeiro. Cádis, escala inesperada, o porto anterior cancelado na sequência de um temporal. À entrada, uma pequena lancha passa junto ao navio e fica registado o momento, Foi assim em Cádis a 11 de Outubro de 2008, com a lancha MARINA CHINA.

Texto e imagens /Text and images copyright L.M.Correia. Favor não piratear. Respeite o meu trabalho, se descarregar imagens para uso pessoal sugere-se que contribua para a manutenção deste espaço fazendo um donativo via Paypal, sugerindo-se €1,00 por imagem retirada. Utilização comercial ou para fins lucrativos não permitida (ver coluna ao lado) / No piracy, please. If photos are downloaded for personal use we suggest that a small contribution via Paypal (€1,00 per image or more). Photos downloaded for commercial or other profit making uses are not allowed. For other posts and images, check our archive at the right column of the main page. Click on the photos to see them enlarged. Thanks for your visit and comments. Luís Miguel Correia

Wednesday, April 08, 2020

O FUNCHAL quando era o orgulho da Insulana

O paquete FUNCHAL novo, a encantar passageiros e tantos mais olhares, com as suas viagens regulares ao Funchal e Tenerife. Ver no blogue do Paquete FUNCHAL
Texto e imagens /Text and images copyright L.M.Correia. Favor não piratear. Respeite o meu trabalho, se descarregar imagens para uso pessoal sugere-se que contribua para a manutenção deste espaço fazendo um donativo via Paypal, sugerindo-se €1,00 por imagem retirada. Utilização comercial ou para fins lucrativos não permitida (ver coluna ao lado) / No piracy, please. If photos are downloaded for personal use we suggest that a small contribution via Paypal (€1,00 per image or more). Photos downloaded for commercial or other profit making uses are not allowed. For other posts and images, check our archive at the right column of the main page. Click on the photos to see them enlarged. Thanks for your visit and comments. Luís Miguel Correia

Tuesday, April 07, 2020

A chegada do Paquete PÁTRIA a 1 de Janeiro de 1948


Documentário de Aníbal Contreiras apresentando a viagem de entrega do Paquete PÁTRIA, de Clydebank para Lisboa, onde entrou pela primeira vez a 1 de Janeiro de 1948. Faz parte da colecção da Cinemateca Nacional, mas está incompleto e sem som. De qualquer forma é um documento notável e pode ser visualizado aqui

Texto e imagens /Text and images copyright L.M.Correia. Favor não piratear. Respeite o meu trabalho, se descarregar imagens para uso pessoal sugere-se que contribua para a manutenção deste espaço fazendo um donativo via Paypal, sugerindo-se €1,00 por imagem retirada. Utilização comercial ou para fins lucrativos não permitida (ver coluna ao lado) / No piracy, please. If photos are downloaded for personal use we suggest that a small contribution via Paypal (€1,00 per image or more). Photos downloaded for commercial or other profit making uses are not allowed. For other posts and images, check our archive at the right column of the main page. Click on the photos to see them enlarged. Thanks for your visit and comments. Luís Miguel Correia

WORLD EXPLORER de regresso da Antártida

O novo navio de cruzeiros português WORLD EXPLORER está a fazer uma longa viagem posicional, desde o porto argentino de Ushuaia, de onde largou a 18 de Março, após terminar a primeira temporada de cruzeiros na Antártida, fretado à companhia Quark Expeditions, para Viana do Castelo, onde deverá chegar dia 7 de Abril pelas 18h00. 
Estava prevista uma viagem com passageiros, mas a actual situação de pandemia viral levou à decisão de fazer regressar a Viana o navio que agora irá aguardar condições que permitam o regresso aos cruzeiros em águas europeias.
Texto e imagens /Text and images copyright L.M.Correia. Favor não piratear. Respeite o meu trabalho, se descarregar imagens para uso pessoal sugere-se que contribua para a manutenção deste espaço fazendo um donativo via Paypal, sugerindo-se €1,00 por imagem retirada. Utilização comercial ou para fins lucrativos não permitida (ver coluna ao lado) / No piracy, please. If photos are downloaded for personal use we suggest that a small contribution via Paypal (€1,00 per image or more). Photos downloaded for commercial or other profit making uses are not allowed. For other posts and images, check our archive at the right column of the main page. Click on the photos to see them enlarged. Thanks for your visit and comments. Luís Miguel Correia

Quanto mais chaminés, melhor


Até ao terceiro quartel do século XX, as grandes viagens eram efectuadas principalmente em navios de passageiros, em travessias intercontinentais. Um grande paquete era um mundo como tão bem mostrou o filme TITANIC. A estratificação social mantinha-se a bordo com as diversas classes separadas, mas a que mais lucro dava aos tansportadores era a terceira classe e o transporte de emigrantes, levados aos milhares da Europa para o novo Mundo.
As grandes companhias de navegação rivalizavam entre si no sentido de oferecerem aos seus clientes os navios mais bonitos, luxuosos e rápidos. A imagem de um bom navio, fiável, estava associada ao número de chaminés que apresentava, argumento a que eram especialmente sensíveis os emigrantes, o que levou à construção de muitos paquetes de 3 e 4 chaminés, tendo-se chegado a projectar navios de 5 chaminés, que não se concretizaram. Algumas das chaminés eram falsas, tendo apenas função estética. Desde sempre a importância da imagem, como se pode apreender da observação destes postais, dos paquetes BELGENLAND e ARUNDEL CASTLE.

Texto e imagens /Text and images copyright L.M.Correia. Favor não piratear. Respeite o meu trabalho, se descarregar imagens para uso pessoal sugere-se que contribua para a manutenção deste espaço fazendo um donativo via Paypal, sugerindo-se €1,00 por imagem retirada. Utilização comercial ou para fins lucrativos não permitida (ver coluna ao lado) / No piracy, please. If photos are downloaded for personal use we suggest that a small contribution via Paypal (€1,00 per image or more). Photos downloaded for commercial or other profit making uses are not allowed. For other posts and images, check our archive at the right column of the main page. Click on the photos to see them enlarged. Thanks for your visit and comments. Luís Miguel Correia

Monday, April 06, 2020

Porto de Nova Iorque há 40 anos


Durante grande parte do século XX o porto de Nova Iorque era um paraíso para os amantes dos navios de passageiros. Nos tempos em que se viajava principalmente de navio, a carreira da América do Norte era a mais prestigiada de todas as linhas marítimas internacionais e o porto de Nova Iorque o destino por excelência. Tudo isso mudou na década de 1960 e vinte anos depois Miami e Port Everglades, na Florida, eram as novas capitais dos grandes navios de passageiros, enquanto Nova Iorque se mantinha como porto base de navios de cruzeiros de forma sazonal. O ROTTERDAM de 1959 era um dos navios que em 1980 marcava presença regular em Nova Iorque, com uma chegada matinal aqui registada por Bill Miller em Outubro de 1980.
O ROTTERDAM foi um dos mais bem sucedidos navios de passageiros do século XX e encontra-se preservado em Roterdão, como hotel flutuante e museu vivo.
Texto e imagens /Text and images copyright L.M.Correia. Favor não piratear. Respeite o meu trabalho, se descarregar imagens para uso pessoal sugere-se que contribua para a manutenção deste espaço fazendo um donativo via Paypal, sugerindo-se €1,00 por imagem retirada. Utilização comercial ou para fins lucrativos não permitida (ver coluna ao lado) / No piracy, please. If photos are downloaded for personal use we suggest that a small contribution via Paypal (€1,00 per image or more). Photos downloaded for commercial or other profit making uses are not allowed. For other posts and images, check our archive at the right column of the main page. Click on the photos to see them enlarged. Thanks for your visit and comments. Luís Miguel Correia

Recordando o WINDSOR CASTLE


Capa do folheto de apresentação do navio de passageiros britânico WINDSOR CASTLE, construído em Birkenhead (Liverpool) em 1959-1960, para a famosa Union-Castle Line que o utilizou na linha regular entre Southampton e a África do Sul, a famosa Cape Run, até 1977.
Esta capa de folheto parece um quadro de Turner. O navio era magnífico, rápido e majestoso. O maior navio de passageiros construído para as carreiras de África e um dos maiores navios mistos de passageiros e carga.
Na altura, a Companhia Colonial de Navegação também assegurava viagens entre a Europa e a Cidade do Cabo, com os seus navios PÁTRIA e IMPÉRIO, e tinha em construção o INFANTE DOM HENRIQUE, considerado por muita gente na África do Sul como o melhor navio que ligava o Cabo à Europa. Embora para a CCN a escala no Cabo funcionasse mais como forma de complementar as receitas dando ocupação aos camarotes de primeira classe vagos em Angola com turistas sul africanos que faziam o "cruzeiro" Cabo - portos de Moçambique - Cabo, havia sempre quem escolhesse os paquetes portugueses no Cabo ou em Durban para navegar até à Europa, isto é, Lisboa. A Union-Castle frequentava Lisboa apenas em cruzeiros com o navio REINA DEL MAR, mas os seus grandes paquetes da linha principal para o Cabo, faziam escalas no Funchal onde os conheci, incluindo este maravilhoso WINDSOR CASTLE de 1960. Eram escalas curtas, normalmente fundeavam uma ou duas horas, desembarcavam alguns passageiros e correio e suspendiam. 
Texto e imagens /Text and images copyright L.M.Correia. Favor não piratear. Respeite o meu trabalho, se descarregar imagens para uso pessoal sugere-se que contribua para a manutenção deste espaço fazendo um donativo via Paypal, sugerindo-se €1,00 por imagem retirada. Utilização comercial ou para fins lucrativos não permitida (ver coluna ao lado) / No piracy, please. If photos are downloaded for personal use we suggest that a small contribution via Paypal (€1,00 per image or more). Photos downloaded for commercial or other profit making uses are not allowed. For other posts and images, check our archive at the right column of the main page. Click on the photos to see them enlarged. Thanks for your visit and comments. Luís Miguel Correia

USS LAKE CHAMPLAIN a ser desmantelado


Porta-aviões norte americano USS LAKE CHAMPLAIN fotografado pelo meu amigo Bill Miller a ser desmantelado, em Setembro de 1972, no estaleiro de desmantelamento de navios de Kearney, em New Jersey, próximo de Nova Iorque. 

Em dias de reclusão em casa de ambos os lados do Atlântico, há mais tempo para troca de fotografias. O LAKE CHAMPLAIN foi um dos 24 porta aviões da classe ESSEX construídos no final da Segunda Guerra Mundial. Ver a história deste navio aqui.
Texto e imagens /Text and images copyright L.M.Correia. Favor não piratear. Respeite o meu trabalho, se descarregar imagens para uso pessoal sugere-se que contribua para a manutenção deste espaço fazendo um donativo via Paypal, sugerindo-se €1,00 por imagem retirada. Utilização comercial ou para fins lucrativos não permitida (ver coluna ao lado) / No piracy, please. If photos are downloaded for personal use we suggest that a small contribution via Paypal (€1,00 per image or more). Photos downloaded for commercial or other profit making uses are not allowed. For other posts and images, check our archive at the right column of the main page. Click on the photos to see them enlarged. Thanks for your visit and comments. Luís Miguel Correia

Saturday, March 07, 2020

Os mais belos cargueiros portugueses

Conheci dezenas de navios de carga portugueses, alguns lindíssimos e volta e meia penso qual era o mais bonito. Habitualmente inclino-me para considerar o BEIRA de 1963 o mais elegante de todos, mas o NACALA, construído em Hong Kong em 1966 e comprado em 1968 não lhe ficava atrás em termos estéticos.
Os navios de carga da CNN tiveram as mesmas cores dos paquetes até 1970, isto é, chaminés pretas (adoptadas logo em 1880 quando da formação da Nacional), cascos cinzento claro e linha de água verde. Bela combinação de cores mas de difícil manutenção. Na imagem, pormenor do NACALA com as cores originais. Depois teve chaminé azul e casco preto, tendo acabado em Alhos Vedros com casco azul.
Texto e imagens /Text and images copyright L.M.Correia. Favor não piratear. Respeite o meu trabalho, se descarregar imagens para uso pessoal sugere-se que contribua para a manutenção deste espaço fazendo um donativo via Paypal, sugerindo-se €1,00 por imagem retirada. Utilização comercial ou para fins lucrativos não permitida (ver coluna ao lado) / No piracy, please. If photos are downloaded for personal use we suggest that a small contribution via Paypal (€1,00 per image or more). Photos downloaded for commercial or other profit making uses are not allowed. For other posts and images, check our archive at the right column of the main page. Click on the photos to see them enlarged. Thanks for your visit and comments. Luís Miguel Correia

Navio-escola SAGRES


O Navio-escola SAGRES prossegue a sua quarta viagem à volta do mundo e navega pelo Atlântico Sul, tendo largado de Lisboa a 5 de Janeiro último. 
Um dos mais famosos navios portugueses, o NRP SAGRES foi adquirido há já 58 anos e tem prestado serviços inestimáveis, a Portugal e à sua tão débil cultura marítima. E é um regalo para a vista  e para a alma saber a SAGRES a navegar e a mostrar a nossa bandeira pelos confins do mundo.
(Mais palavras e imagens minhas da SAGRES aqui)
Texto e imagens /Text and images copyright L.M.Correia. Favor não piratear. Respeite o meu trabalho, se descarregar imagens para uso pessoal sugere-se que contribua para a manutenção deste espaço fazendo um donativo via Paypal, sugerindo-se €1,00 por imagem retirada. Utilização comercial ou para fins lucrativos não permitida (ver coluna ao lado) / No piracy, please. If photos are downloaded for personal use we suggest that a small contribution via Paypal (€1,00 per image or more). Photos downloaded for commercial or other profit making uses are not allowed. For other posts and images, check our archive at the right column of the main page. Click on the photos to see them enlarged. Thanks for your visit and comments. Luís Miguel Correia

Friday, March 06, 2020

Navio oceanográfico MAR PORTUGAL


Comprado há 5 anos, o navio oceanográfico MAR PORTUGAL ainda não fez praticamente nada de útil, nem em prol do Mar Português nem em prol da investigação das pescas, e está encostado na Base Naval de Lisboa, ao Alfeite, encalhado na incapacidade do Estado em lidar com os navios e o Mar.

O navio merece melhor sorte. O benfeitores estrangeiros que financiaram a sua compram mereciam mais respeito. Muito triste, a situação do navio, os milhões gastos entretanto, e a atitude de incapacidade que apenas amplia a mentira que é a ligação de Portugal ao Mar.
(Mais palavras e imagens minhas acerca do MAR PORTUGAL aqui).
Texto e imagens /Text and images copyright L.M.Correia. Favor não piratear. Respeite o meu trabalho, se descarregar imagens para uso pessoal sugere-se que contribua para a manutenção deste espaço fazendo um donativo via Paypal, sugerindo-se €1,00 por imagem retirada. Utilização comercial ou para fins lucrativos não permitida (ver coluna ao lado) / No piracy, please. If photos are downloaded for personal use we suggest that a small contribution via Paypal (€1,00 per image or more). Photos downloaded for commercial or other profit making uses are not allowed. For other posts and images, check our archive at the right column of the main page. Click on the photos to see them enlarged. Thanks for your visit and comments. Luís Miguel Correia

Thursday, March 05, 2020

O navio-tanque AIRE de 1946



Acabei de escrever mais uma biografia de um navio mercante português do século XX para publicação na Revista de Marinha e aqui vos deixo algumas palavras do preâmbulo do artigo. Sempre a reflectir sobre a nossa negação face aos navios e ao Mar.
"A inexistência de navios petroleiros em Portugal quando rebentou a Segunda Guerra Mundial em 1939 teve consequências dramáticas para a economia nacional na década de 1940. Provavelmente se então dispuséssemos de petroleiros não teria sido necessário o racionamento de produtos petrolíferos que funcionou até 1946. Na altura o recurso possível foi entregar ao Instituto Português de Combustíveis (Estado) a responsabilidade pela logística do abastecimento de produtos petrolíferos, refinados e crude, na sequência do arranque da refinaria da Sacor em Cabo Ruivo em 1940.
Sem navios próprios, Portugal gastou uma fortuna incalculável no afretamento de navios-tanques a França (Vichy), Espanha e Suécia, e alguns desses navios foram afretados com opção de compra, constituíndo depois em 1946 a base da frota da futura SOPONATA, criada em 1947 por iniciativa do ministro da Marinha Américo Tomás, que no cargo de primeiro Presidente da Junta Nacional da Marinha Mercante, de 1940 a 1944, viveu por dentro os dramas infindáveis de otimização da operação dos velhos navios que então constituiam a nossa Marinha Mercante. Aprendeu a lição e teve força e a perseverança para, com o Despacho 100 e um esforço permanente de propaganda da economia do mar, promover a aquisição de uma frota nova. O petroleiro AIRE, comprado em 1946 pelo IPC foi um dos pioneiros da futura frota de navios-tanques portugueses que tão bons resultados proporcionou durante 50 anos.
Mudaram-se os ventos, renegou-se a história e o nosso Mar e hoje em termos de Transporte Marítimo próprio estamos piores que em 1939. No que toca ao transporte de combustíveis batemos no fundo – somos zero, desmantelámos a SOPONATA e a frota da Sacor e até barcaças para abastecimento de bancas afretamos ao estrangeiro no que me parecem atos criminosos lesivos do interesse nacional. Mas a verdade é que nada disso conta para nada exceto os lucros imediatos de alguns poucos. O AIRE navegou apenas 6 anos com as cores portuguesas. Na altura era considerado inferior aos parâmetros de qualidade e exigência da frota da SOPONATA, foi substituído por navios novos mais eficientes e vendido aos espanhóis. Em Espanha foi remendado várias vezes e navegou mais 31 anos, os últimos a dar combustível à frota pesqueira espanhola que nos substituiu em Angola e Moçambique."
O resto leiam quando sair a Revista de Marinha... A fotografia mostra o AIRE com o seu quarto e último nome, em 1986, após docagem em Durban para pintura e beneficiação das obras vivas. Podem também ler a história deste navio no meu livro sobre a SOPONATA.
Texto e imagens /Text and images copyright L.M.Correia. Favor não piratear. Respeite o meu trabalho, se descarregar imagens para uso pessoal sugere-se que contribua para a manutenção deste espaço fazendo um donativo via Paypal, sugerindo-se €1,00 por imagem retirada. Utilização comercial ou para fins lucrativos não permitida (ver coluna ao lado) / No piracy, please. If photos are downloaded for personal use we suggest that a small contribution via Paypal (€1,00 per image or more). Photos downloaded for commercial or other profit making uses are not allowed. For other posts and images, check our archive at the right column of the main page. Click on the photos to see them enlarged. Thanks for your visit and comments. Luís Miguel Correia

Wednesday, March 04, 2020

QUEEN MARY 2 em Lisboa


Veio a Lisboa pela primeira vez em 2004 e tem  passado pelo Tejo com alguma regularidade desde então, mas o QUEEN MARY 2 não é propriamente um habitué local, com pena minha pois tenho grande admiração por este navio e pelo que ele representa na história dos navios de passageiros modernos. 
O QM2 passou por Lisboa este ano a 13 de Janeiro, no início do cruzeiro de volta ao mundo, e eu estava a postos para registar a saída, prevista para as 16 horas, com algumas imagens que consegui fazer, mas em condições extremas de luz. Havia nevoeiro e quando o navio largou a luz estava a extinguir-se. Mesmo assim fiquei satisfeito com os resultados. Na foto acima, o QUEEN MARY 2 passa a Praça do Comércio a 13 de Janeiro.

Texto e imagens /Text and images copyright L.M.Correia. Favor não piratear. Respeite o meu trabalho, se descarregar imagens para uso pessoal sugere-se que contribua para a manutenção deste espaço fazendo um donativo via Paypal, sugerindo-se €1,00 por imagem retirada. Utilização comercial ou para fins lucrativos não permitida (ver coluna ao lado) / No piracy, please. If photos are downloaded for personal use we suggest that a small contribution via Paypal (€1,00 per image or more). Photos downloaded for commercial or other profit making uses are not allowed. For other posts and images, check our archive at the right column of the main page. Click on the photos to see them enlarged. Thanks for your visit and comments. Luís Miguel Correia

Tuesday, March 03, 2020

Géneros e Mares


Como apreciador da simplicidade natural do que nos rodeia ou vamos construindo, (ou alguém nos impõe) confesso que a paciência é pouca para os jogos actuais do politicamente correcto. Gosto tanto de navios e do mar como de livros e há sempre alguns à minha volta, para além daqueles que estou a inventar a cada dia.


Estou a ler BREVIÁRIO MEDITERRÂNICO um daqueles livros que me seduziu ao primeiro folhear e não me está a desiludir. É um daqueles livros obrigatórios e assenta como uma maravilha no meu antigo encanto pelo Mediterrâneo. 

O Autor (Predrag Matvejevitch) em dada altura - no Glossário - discute a questão de Género acerca do Mar. Pertinente. Para nós e para os italianos Mar é masculino, para os Franceses é feminino, e por aí fora. Para mim, o Mar é mais que todos os géneros que se lhe possam associar. É um espaço quase infinito e imprevisível. É também um símbolo da mediocridade dos portugueses, dado que se continua a virar as costas para lá das praias em que molham o pé. 
Falha a cultura marítima que abra horizontes para além do horizonte a partir das praias. Tudo o resto, os discursos oficiais, as poucas práticas no domínio da economia marítima, são fantasias infelizes com raras e importantes excepções. 
Texto e imagens /Text and images copyright L.M.Correia. Favor não piratear. Respeite o meu trabalho, se descarregar imagens para uso pessoal sugere-se que contribua para a manutenção deste espaço fazendo um donativo via Paypal, sugerindo-se €1,00 por imagem retirada. Utilização comercial ou para fins lucrativos não permitida (ver coluna ao lado) / No piracy, please. If photos are downloaded for personal use we suggest that a small contribution via Paypal (€1,00 per image or more). Photos downloaded for commercial or other profit making uses are not allowed. For other posts and images, check our archive at the right column of the main page. Click on the photos to see them enlarged. Thanks for your visit and comments. Luís Miguel Correia

Tuesday, February 18, 2020

INFANTE DOM HENRIQUE em Cape Town


Imagem curiosa do paquete português INFANTE DOM HENRIQUE (1961-1988) em manobra no porto da Cidade do Cabo (Cape Town), numa das escalas regulares da carreira da África Oriental. 
O fumo que parece sair da escotilha do porão n.º 1 é uma ilusão. Trata-se do fumo de um rebocador local, pertença dos Portos e Caminhos de Ferro da África do Sul. Os Sul Africanos tinham uma frota de rebocadores magnífica, com a particularidade de, até muito tarde, estas unidades utilizarem o carvão como combustível, dado que estava disponível localmente, ao contrário do petróleo. Já da chaminé do INFANTE não se vê grande fumo, embora fosse um navio a turbinas a vapor, era um navio discreto em termos de fumaradas, se calhar já a antever o actual movimento de madalenas ecologistas que descobriram nos navios de cruzeiros todos os males deste nosso mundo poluente.
O jornal I da última sexta feira tem cinco páginas dedicadas à campanha contra os paquetes em Lisboa. Artigos muito maus, parciais, a darem voz aos ecologistas zelotas que não sabem fazer o trabalho de casa e acabam a dizer asneiradas. Muito mau mesmo. 

Por aqui, ao contemplar o antigo INFANTE DO HENRIQUE, sinto saudades do perfume do fumo do navio, aquela fragância da nafta que quase se não sente já. Nos navios, como em tantos outros temas, há cheiros que marcam épocas.
Texto e imagens /Text and images copyright L.M.Correia. Favor não piratear. Respeite o meu trabalho, se descarregar imagens para uso pessoal sugere-se que contribua para a manutenção deste espaço fazendo um donativo via Paypal, sugerindo-se €1,00 por imagem retirada. Utilização comercial ou para fins lucrativos não permitida (ver coluna ao lado) / No piracy, please. If photos are downloaded for personal use we suggest that a small contribution via Paypal (€1,00 per image or more). Photos downloaded for commercial or other profit making uses are not allowed. For other posts and images, check our archive at the right column of the main page. Click on the photos to see them enlarged. Thanks for your visit and comments. Luís Miguel Correia

Tuesday, February 04, 2020

Remembering the RMS QUEEN MARY


A very interesting piece of nostalgia depicting RMS QUEEN MARY final voyage for Cunard Line, in September 1967. A great picture of an old world. So far this QUEEN has survived at Long Beach, California as an hotel and museum. 
I was lucky to have seem the QUEEN MARY in Lisbon several times in the 1960s, including her final call in that same September 1967, on her final voyage, a positioning cruise to California by the way of South America as she was too large for the Panama Canal. And I did a postcard of her in my LMC postcards of ships series. QUEEN MARY is still afloat albeith in a static role, the same happened to her replacement, the QUEEN ELIZABETH 2 of 1969, now in Dubai since November 2008. However, QUEEN MARY's great voice is still in steam aboard the new QUEEN MARY 2. One of her whistles is original from the old QM, the other is fabricated in the same swedish yard and is exactly the same.
Texto e imagens /Text and images copyright L.M.Correia. Favor não piratear. Respeite o meu trabalho, se descarregar imagens para uso pessoal sugere-se que contribua para a manutenção deste espaço fazendo um donativo via Paypal, sugerindo-se €1,00 por imagem retirada. Utilização comercial ou para fins lucrativos não permitida (ver coluna ao lado) / No piracy, please. If photos are downloaded for personal use we suggest that a small contribution via Paypal (€1,00 per image or more). Photos downloaded for commercial or other profit making uses are not allowed. For other posts and images, check our archive at the right column of the main page. Click on the photos to see them enlarged. Thanks for your visit and comments. Luís Miguel Correia RMS QUEEN MARY final crossing

Monday, January 20, 2020

Uma panorâmica em Nápoles há 20 anos


Desde que me lembro, sempre tive um fascínio ilimitado pelos navios e ambientes marítimos, que procuro registar em fotografia desde 1970, em Portugal, e um pouco por todo o mundo.

Um dos navios com mais personalidade que fotografei com o decorrer dos anos, foi o CARLO R, aqui acompanhado por outro deserdado da sorte em Maio de 2000, o ODESSA, então meu velho conhecido, mas que não voltei a ver. Ambos estavam imobilizados em Nápoles, a contas com a justiça, apesar de os navios não terem rigorosamente culpa dos supostos desacatos dos seus operadores ou proprietários.
O CARLO R foi construído em Inglaterra no estaleiro Swan Hunter (Walker) em 1969-72, para substituir o malogrado WAHINE, uma espécie de TITANIC da Nova Zelândia, que naufragou em 1968 próximo de Wellington. 
Tal como o WAHINE, o RANGATIRA - assim se chamou de início o CARLO R - era um navio de passageiros rápido Roll-on / Roll-off, com propulsão turbo eléctrica, o que tornou a sua operação dispendiosa depois da crise do petróleo em 1973, pelo que apenas fez a carreira Wellington - Lyttelton de Março de 1972 a Setembro de 1976. Foi nesse ano imobilizado em Falmouth, Reino Unido, mas não havia procura para ferries de passageiros a vapor e a alternativa foi a opção por fretamentos para servir de alojamento na Escócia associado à exploração de petróleo no Mar do Norte. A guerra das Falklands deu nova oportunidade, para servir no Atlântico Sul, mais uma vez como navio de alojamento, e em 1986 foi vendido ao armador grego Marlines e usado no Adriático como ferry com o nome QUEEN M (1986-1990). 
Em 1990 foi vendido ao armador italiano Alimar e continuou a servir no Mediterrâneo como ferry, efectuando numerosos fretamento à companhia de navegação da Tunísia (COTUNAV), cujas cores aproximadas apresenta na fotografia. Em Agosto de 1995 ficou arrestado em Nápoles, de onde só saiu em 2001 após ter sido vendido para transformação em navio de cruzeiros, actividade em que se deveria chamar ALEXANDER THE GREAT. Foi rebocado para um estaleiro no Montenegro, mas a transformação não chegou a ser concluída e em 2005 o navio foi desmantelado na Turquia. Tinha uma aparência única, elegante, aristocrática e rápida, ao contrário das actuais frotas de navios de passageiros, todas semelhantes, e em que na maior parte dos casos os passageiros nem se lembram do nome do navio.
O ODESSA foi construído no Reino Unido em 1972-74, para uma companhia dinamarquesa, a Danish Cruise Lines, que não conseguiu pagar o navio, pelo que este acabou vendido à URSS em 1975, passando a ser o ODESSA. Em 1995 ficou arrestado em Nápoles durante 6 anos. Ainda foi resgatado por interesses ucranianos e rebocado para Odessa em 2002, mas não voltou mais aos cruzeiros e acabou desmantelado na India em 2007 com o nome SYDNEY.
Texto e imagens /Text and images copyright L.M.Correia. Favor não piratear. Respeite o meu trabalho, se descarregar imagens para uso pessoal sugere-se que contribua para a manutenção deste espaço fazendo um donativo via Paypal, sugerindo-se €1,00 por imagem retirada. Utilização comercial ou para fins lucrativos não permitida (ver coluna ao lado) / No piracy, please. If photos are downloaded for personal use we suggest that a small contribution via Paypal (€1,00 per image or more). Photos downloaded for commercial or other profit making uses are not allowed. For other posts and images, check our archive at the right column of the main page. Click on the photos to see them enlarged. Thanks for your visit and comments. Luís Miguel Correia

Sunday, December 08, 2019

Quadro do Paquete PÁTRIA de Ayres de Carvalho


O quadro de Ayres de Carvalho do antigo Paquete PÁTRIA que fotografei no Alfeite


Uma visita ao palácio do Alfeite onde está instalado o Comando Naval da Marinha Portuguesa, organizado pela Confraria Marítima de Portugal, proporcionou uma grata surpresa extra programa: na escadaria principal do palácio deparei com o magnífico quadro que Mestre Armindo Ayres de Carvalho (1911-1997) concebeu e pintou em 1947, destinado à decoração do Paquete PÁTRIA, então em construção em Clydebank, para a Companhia Colonial de Navegação.
Átrio da Primeira Classe do Paquete Pátria, com o quadro de Ayres de Carvalho visível na antepara adjacente à escadaria de acesso aos salões do navio

Em Março de 1946 a Companhia Colonial de Navegação encomendou ao estaleiro John Brown de Clydebank, Escócia, a construção dos paquetes PÁTRIA e IMPÉRIO, ambos de 13.000 TAB, e destinados à carreira de Lisboa à África Oriental, de acordo com as disposições definidas no Despacho 100 de 10 de Agosto de 1945, do Ministro da Marinha Américo Thomaz. 

Empresa muito progressiva e dinâmica, a Colonial resolveu promover um concurso entre os melhores artistas plásticos da época, para dois grandes quadros destinados ao PÁTRIA e ao IMPÉRIO, cujos temas eram precisamente interpretações artísticas associadas aos nomes dos dois paquetes. 
Para apreciar os esboços propostos pelos artistas foi constituída uma comissão, presidida pelo Presidente da Junta Nacional da Marinha Mercante, Cte. Pereira Viana, de que faziam parte os artistas Armando de Lucena, Diogo de Macedo e Raul Lino e ainda o Dr. Raul de Sampaio Vieira, administrador da CCN. Em Março de 1947 esta comissão apreciou diversos trabalhos de Ayres de Carvalho, José Rebocho, Martins Barata, Abel Manta e António Lino, sendo escolhido o projecto de Ayres de Carvalho, que foi concluído em 1947 a tempo de seguir para a Escócia e ser instalado a bordo do navio. 

Anúncio de viagem do PÁTRIA ao Brasil em 1948 (viagem n.º 3)

O quadro, de grandes dimensões, destacava-se a bordo como a obra de arte mais evidente, colocado na antepara adjacente à escadaria principal do paquete (1.ª classe), ligando o átrio do Comissariado ao pavimento dos salões principais, podendo ver-se na fotografia que apresentamos.
O PÁTRIA foi concluído em Dezembro de 1947 e entregue à CCN - foi o primeiro paquete do Despacho 100 a entrar ao serviço, e o primeiro navio de passageiros português com mais de 10.000 toneladas de arqueação bruta, e o primeiro equipado com turbinas a vapor. Entrou em Lisboa pela primeira vez, vindo do estaleiro, a 1 de Janeiro de 1948 e a 26 desse mesmo mês, largou de Lisboa na viagem inaugural a Angola e Moçambique, com escalas no Funchal, São Tomé, Luanda, Lobito, Moçâmedes, Cidade do Cabo, Lourenço Marques, Beira e Moçambique. Navegou durante os 25 anos seguintes, efectuando 140 viagens, na sua maioria a Moçambique, mas com algumas viagens com destinos diferentes: Brasil, América Central, Paquistão, serviu como transporte de tropas e fez alguns cruzeiros à Madeira. Terminou a última viagem comercial na carreira de África em Maio de 1973 e foi vendido para desmantelar na ilha Formosa (China), onde chegou a 1 de Agosto de 1973 a Kaohsiung após o que foi demolido em 1974.
Anúncio de viagem do PÁTRIA em 1951

O quadro de Ayres de Carvalho foi retirado de bordo do paquete antes de este deixar Lisboa a caminho da Formosa, e com a fusão da Colonial e Insulana, em 1974, passou a ser património da CTM - Companhia Portuguesa de Transportes Marítimos. Quando a CTM foi liquidada em 1985, grande parte das obras de arte retiradas dos paquetes da CCN foram dadas à guarda do Museu de Marinha de Lisboa, que posteriormente as adquiriu à Comissão Liquidatária, e assim o antigo quadro do velho PÁTRIA, em que naveguei em 1972, sobreviveu à Desmaritimização, ao abate cego dos navios e à destruição da Marinha Mercante Nacional, e pode ser apreciado em lugar nobre no Comando Naval da BNL, ao Alfeite. Caso para dizer: Viva a Marinha!.

Texto e imagens /Text and images copyright L.M.Correia. Favor não piratear. Respeite o meu trabalho, se descarregar imagens para uso pessoal sugere-se que contribua para a manutenção deste espaço fazendo um donativo via Paypal, sugerindo-se €1,00 por imagem retirada. Utilização comercial ou para fins lucrativos não permitida (ver coluna ao lado) / No piracy, please. If photos are downloaded for personal use we suggest that a small contribution via Paypal (€1,00 per image or more). Photos downloaded for commercial or other profit making uses are not allowed. For other posts and images, check our archive at the right column of the main page. Click on the photos to see them enlarged. Thanks for your visit and comments. Luís Miguel Correia

Saturday, December 07, 2019

FUNCHAL still laid up in Lisbon


The former Portuguese passenger liner and cruise ship FUNCHAL has a new registered owner since 25th October 2019: SGL Cruise Ltd., a company set up in the Madeira Islands offshore by new owners Signature Living, a company that made the winning bid at the auction held aboard FUNCHAL in December 2018. 
The payment for the ship (€3.91 million) took almost one year to be completed so the ship was delivered this past October following final payment. 
Despite news stating that the ship was going to be towed to the UK (Liverpool was her destination at one point), the fact is that the FUNCHAL remains in lay up at the old Matinha Pier under the care of the same extremely dedicated Portuguese care taking crew, and it seems the ship is being offered for sale again on the open markets.
This Wednesday 4 December the FUNCHAL looked quite and as elegant as ever, as the photos I took that evening can clearly show. Let's see what the future holds for the classic FUNCHAL.

Texto e imagens /Text and images copyright L.M.Correia. Favor não piratear. Respeite o meu trabalho, se descarregar imagens para uso pessoal sugere-se que contribua para a manutenção deste espaço fazendo um donativo via Paypal, sugerindo-se €1,00 por imagem retirada. Utilização comercial ou para fins lucrativos não permitida (ver coluna ao lado) / No piracy, please. If photos are downloaded for personal use we suggest that a small contribution via Paypal (€1,00 per image or more). Photos downloaded for commercial or other profit making uses are not allowed. For other posts and images, check our archive at the right column of the main page. Click on the photos to see them enlarged. Thanks for your visit and comments. Luís Miguel Correia

Tuesday, November 05, 2019

New York passenger shipping 1957


The famous Port of New York passenger ship docks on the Hudson River, back in 1957 showing seven transatlantic liners: RMS BRITANNIC, Cunard White Star, the magnificent QUEEN MARY of 1936, the RMS MAURETANIA of 1939, all Cunarders,  the French Line FLANDRE, later to become Costa Line's CARLA C in 1968, followed by Greek Line's flagship OLYMPIA, the UNITED STATES and one of the American Export Line's sisters, the CONSTITUTION or INDEPENDENCE.
Quando era miúdo e via este tipo de fotografias sobre os cais de passageiros de Nova Iorque imaginava uma grandiosidade que mais tarde, quando estive no porto de Nova Iorque pela primeira vez, não encontrei. Um conjunto de navios como o da fotografia faria com que ficasse com os dedos a doerem de tanto disparar os obturadores das minhas Nikons, como me aconteceu, por exemplo, das primeiras vezes que estive no Pireu. Mas o Hudson e os seus cais, a sensação que me deram, foi que quase caberiam na nossa Doca de Alcântara. Tenho visitado muitos portos por esse mundo, mas não há muitos com a grandeza física - trabalho da natureza, ou do Criador, conforme as sensibilidades - daí a importância de não se deixar destruir mais o Porto de Lisboa face aos apetites alarves do imobiliário e da sede de poder da Câmara Municipal de Lisboa. Tem-se vindo a matar o nosso belo porto de Lisboa.
Photographed from the Bill Miller collection.Texto e imagens /Text and images copyright L.M.Correia. Favor não piratear. Respeite o meu trabalho / No piracy, please. For other posts and images, check our archive at the right column of the main page. Click on the photos to see them enlarged. Thanks for your visit and comments. Luís Miguel Correia

Wednesday, October 30, 2019

Palestra de Luís Miguel Correia sobre CACILHEIROS






A convite da Câmara Municipal de Lisboa (Câmara Municipal de Lisboa, Direção Municipal de Cultura, Departamento de Património Cultural, GEO - Gabinete de Estudos Olisiponenses, Estrada de Benfica, 368 | 1500-100 LISBOA, T. geral (+351) 21 770 11 00) hoje vou apresentar uma palestra sobre um assunto que já foi tema de três livros meus: os Cacilheiros. 
A entrada é livre e para além das  minhas Cacilheiradas ficam a conhecer o belíssimo Palácio Beau Sèjour, em Benfica. 
Pode-se entrar com o carro e há estacionamento gratuito. Apareçam...  

Texto e imagens /Text and images copyright L.M.Correia. Favor não piratear. Respeite o meu trabalho, se descarregar imagens para uso pessoal sugere-se que contribua para a manutenção deste espaço fazendo um donativo via Paypal, sugerindo-se €1,00 por imagem retirada. Utilização comercial ou para fins lucrativos não permitida (ver coluna ao lado) / No piracy, please. If photos are downloaded for personal use we suggest that a small contribution via Paypal (€1,00 per image or more). Photos downloaded for commercial or other profit making uses are not allowed. For other posts and images, check our archive at the right column of the main page. Click on the photos to see them enlarged. Thanks for your visit and comments. Luís Miguel Correia

Tuesday, September 24, 2019

NIEUW STATENDAM em eclipse parcial


O navio de cruzeiros holandês NIEUW STATENDAM efectuou a primeira escala em Lisboa a 20 de Setembro último e resolvi registar a sua largada de Oeiras, mas eis que surgiu um segundo paquete, o OCEAN MAJESTY, grego com bandeira portuguesa, a eclipsar a estrela do dia. E ficaram ambos no retrato, acentuando os contrastes entre gerações distintas.

Texto e imagens /Text and images copyright L.M.Correia. Favor não piratear. Respeite o meu trabalho, se descarregar imagens para uso pessoal sugere-se que contribua para a manutenção deste espaço fazendo um donativo via Paypal, sugerindo-se €1,00 por imagem retirada. Utilização comercial ou para fins lucrativos não permitida (ver coluna ao lado) / No piracy, please. If photos are downloaded for personal use we suggest that a small contribution via Paypal (€1,00 per image or more). Photos downloaded for commercial or other profit making uses are not allowed. For other posts and images, check our archive at the right column of the main page. Click on the photos to see them enlarged. Thanks for your visit and comments. Luís Miguel Correia

Monday, September 23, 2019

JOÃO CABEÇADAS no COMM


O Clube de Oficiais da Marinha Mercante traz a 2 Outubro 2019 pelas 17 horas ao auditório da sua sede em Lisboa o campeão do mundo de vela profissional JOÃO CABEÇADAS, para nos apresentar a última embarcação da equipa ALINGHI, chamada no meio pela “ voadora “. Este apelido deve - se às velocidades nunca antes atingidas.Para complementar explicações técnicas deste projecto inovador teremos também presente o eng. Fernando Sena da empresa TRIMARINE. Neste evento pretendemos relevar a importância da vela profissional, para a evolução e inovação dos materiais e treino de mar.

Friday, August 30, 2019

Os antigos QUEEN da Cunard

Quando a publicidade era uma arte em todos os sentidos, a companhia britânica Cunard White Star Line publicitava o serviço rápido transatlântico semanal assegurado pelos seus navios QUEEN MARY e QUEEN ELIZABETH entre Southampton e Nova Iorque recorrrendo a cartazes de uma eficácia e beleza perfeitas, caso deste que apresentamos, mostrando o RMS QUEEN ELIZABETH em primeiro plano, em todo o seu esplendor, com o QUEEN MARY ao fundo, ambos a navegarem a toda a força. 
A velocidade de serviço era de 28 nós, mas os navios podiam navegar a maior velocidade.
O velho QUEEN MARY foi projectado na década de 1920, basead no AQUITANIA de 1914, e entrou ao serviço em 1936. O QUEEN ELIZABETH apresentava características muito mais modernas, foi projectado na década de 1930 e ficou pronto em 1940, servindo como transporte de tropas durante a segunda guerra mundial.
Sempre que vejo estes cartazes, apetece-me logo embarcar. Conheci ambos os QUEENs originais quando das suas visitas a Lisboa na década de 1960, em viagens de cruzeiro. Eram tão grandes que fundeavam frente ao Terreiro do Paço e os passageiros desembarcavam de cacilheiro. 
Da última vez que o QUEEN MARY fez escala no Tejo, na viagem de entrega aos americanos de Long Beach, fundeou a oeste da ponte Salazar, em Outubro de 1967. 
Curiosamente muitos anos depois o QUEEN ELIZABETH 2 fundeou no mesmo local uma vez em a data da escala coincidiu com a presença do CANBERRA no Tejo e como só havia cais para um dos paquetes (Alcântara), o QE2 chegou depois e fundeou.
Texto e imagens /Text and images copyright L.M.Correia. Favor não piratear. Respeite o meu trabalho, se descarregar imagens para uso pessoal sugere-se que contribua para a manutenção deste espaço fazendo um donativo via Paypal, sugerindo-se €1,00 por imagem retirada. Utilização comercial ou para fins lucrativos não permitida (ver coluna ao lado) / No piracy, please. If photos are downloaded for personal use we suggest that a small contribution via Paypal (€1,00 per image or more). Photos downloaded for commercial or other profit making uses are not allowed. For other posts and images, check our archive at the right column of the main page. Click on the photos to see them enlarged. Thanks for your visit and comments. Luís Miguel Correia

Friday, August 16, 2019

Cruzada contra os cruzeiros no Porto de Lisboa


Título de notícia anti-cruzeiros em Lisboa

O Mundo debate-se com inúmeros problemas e a questão ambiental não é seguramente o menor, mas no meio disto tudo ressaltam a ignorância e a demagogia dinamizadas por alminhas cheias de boas intenções tão nefastas como o puritanismo fundamentalista que tem vindo a mover uma campanha internacional contra os navios de cruzeiros, e que se tem servido de Lisboa para os seus propósitos. Assim têm sido divulgados aqui e ali notícias e artigos relacionados com «estudos» de que ninguém conhece ou reconhece critérios aceitáveis, e cuja leitura denota erros de abordagem básicos. Os navios de cruzeiros são apenas uma parte do movimento marítimo que caracteriza o Porto de Lisboa e a Cidade deve a sua existência ao porto desde sempre embora agora se desvalorize a importância das actividades portuárias e se ignore as suas potencialidades.
Não queremos ver alimentar em Lisboa os disparates que tanto estão a prejudicar Veneza. Os cerca de 320 cruzeiros que este ano incluem Lisboa nos seus itinerários, trazendo ao Tejo cerca de meio milhão de turistas são muito bem vindos. Queremos mais, precisamos de desenvolver mais os cruzeiros em Lisboa, nomeadamente na vertente dos embarques e desembarques. Não precisamos de campanhas de activistas nem de seitas contra os Navios, o Porto e as Navegações de Lisboa.
E já agora, para mim a cidade fica mais bonita e cosmopolita com os seus cais cheios de navios. Já Fernando Pessoa tinha essa sensibilidade tão poética na sua Ode Marítima. 
Texto e imagens /Text and images copyright L.M.Correia. Favor não piratear. Respeite o meu trabalho, se descarregar imagens para uso pessoal sugere-se que contribua para a manutenção deste espaço fazendo um donativo via Paypal, sugerindo-se €1,00 por imagem retirada. Utilização comercial ou para fins lucrativos não permitida (ver coluna ao lado) / No piracy, please. If photos are downloaded for personal use we suggest that a small contribution via Paypal (€1,00 per image or more). Photos downloaded for commercial or other profit making uses are not allowed. For other posts and images, check our archive at the right column of the main page. Click on the photos to see them enlarged. Thanks for your visit and comments. Luís Miguel Correia