Wednesday, October 24, 2012

Greves nos portos

Representantes das administrações portuárias, dos trabalhadores e estivadores vão reunir-se esta quarta-feira, 24 de Outubro, com a Direcção Geral do Emprego e das Relações de Trabalho (DGERT). De acordo com fonte governamental, o encontro destina-se a definir novos serviços mínimos nos portos.
O Governo considera que a actual regulamentação dos serviços mínimos aplicados nas greves do sector, e que estão definidos desde 2004 por tribunal arbitral, são insuficientes face aos valores actuais de transporte por via marítima em Portugal.
A reunião juntará, pela primeira vez desde o início da greve, o Executivo, administrações portuárias e representantes dos estivadores.
O Instituto Portuário e dos Transportes Marítimos (IPTM) considera «uma irresponsabilidade» as greves nos portos de Lisboa, Setúbal e Figueira da Foz, sublinhando que assentam «em falsos argumentos» e comprometem as exportações portuguesas.
«Os portos nacionais têm ultimamente registado uma série inaudita de greves que muito têm afectado a economia nacional e, especialmente, o seu potencial de exportação num momento particularmente delicado para a economia nacional», lê-se no comunicado do IPTM citado pela Lusa.
O Instituto afirma que a justificação dada pelas organizações sindicais para a convocação de «sucessivas greves nos portos de Lisboa, Setúbal e Figueira da Foz» baseiam-se em «argumentos que em nada correspondem à realidade».
O documento destaca que «as repetidas acusações de falta de diálogo» e de que o novo regime laboral portuário «porá em causa 40% dos postos de trabalho» são «totalmente destituídas de fundamento» e lembra que o Governo «manteve e mantém permanente diálogo profundo e aberto» com todos os sindicatos dos trabalhadores portuários.
Como exemplo, o IPTM refere que o acordo de concertação foi subscrito pela UGT, Federação Nacional dos Sindicatos de Trabalhadores Portuários e outros sete sindicatos, assim como pelas principais associações patronais com interesse no sector portuário, sendo «a versão final muito distinta» da inicial ao integrar «muitas sugestões dos representantes dos trabalhadores».
O IPTM salienta que é «absolutamente falso» que o novo diploma, aprovado em Conselho de Ministros, ponha em causa um só posto de trabalho e restrinja o âmbito do trabalho portuário.
«Apenas foi corrigida a delimitação» deste âmbito, diz o documento, referindo-se ao trabalho em armazéns e em plataformas logísticas, à função de motorista na condução de veículos pesados de transporte de mercadorias dentro da doca que «indevidamente» ainda são «tecnicamente classificáveis como trabalho ou operação portuária».
Mesmo assim, o IPTM sublinha que «nenhum dos trabalhadores afectos a essas funções deixa de ser necessário e utilizado, nem perde o emprego».
O IPTM aponta o dedo ao Sindicato dos Estivadores baseado em Lisboa acusando-o de se ter «auto-marginalizado» do diálogo e de criar «um contexto de hostilidade a qualquer esforço de concertação entre parceiros de boa-fé».
«Antes mesmo de se iniciar o ciclo negocial, começou por declarar uma greve inibitiva de qualquer discussão», frisou.
De acordo com o comunicado, as greves estritas dos trabalhadores portuários «têm estado circunscritas aos portos vinculados ao sindicato dos trabalhadores de Lisboa - movimentando normalmente 29% da tonelagem total -, não envolvendo os que maior presença têm no fluxo de mercadorias, como são os de Leixões, Sines e Viana do Castelo».
«No entanto, o prolongamento destas paralisações de raiz marcadamente político-partidária, combinando diferentes períodos de paragem ou de redução de actividade, pode vir a colocar em risco os próprios postos de trabalho ao afastar actuais e futuros clientes dos portos em causa, traduzindo-se em forte dano para a economia nacional que os portugueses e o país não podem entender e tolerar», avisa.
Para esta terça-feira está marcada uma greve nacional dos portos portugueses, à qual não vão aderir os portos de Sines e de Leixões, onde se movimenta 61% da tonelagem total dos portos portugueses, segundo declarações das administrações dos dois portos.
Desde meados de Agosto que os trabalhadores portuários se encontram em greve, em paralisações rotativas e parciais, em protesto contra a nova legislação laboral anunciada pelo Governo para o sector.
Texto e imagens /Text and images copyright L.M.Correia. Favor não piratear. Respeite o meu trabalho / No piracy, please. For other posts and images, check our archive at the right column of the main page. Click on the photos to see them enlarged. Thanks for your visit and comments. Luís Miguel Correia
Post a Comment