Tuesday, October 23, 2012

Terminal de cruzeiros e contentores de Alcântara

Ignorando a polémica criada à volta da localização das gares marítimas na década de 1930 que atrasou a construção das Estações Marítimas em Alcântara e na Rocha, em 1938 o Presidente Salazar ordenou a edificação da Estação Marítima de Alcântara com o objectivo de  estar pronta em 1940 a tempo da Exposição do Mundo Português. 
A nova infraestrutura portuária deveria ser "um marco de civilização" causando boa impressão no primeiro contacto dos viajantes com uma Lisboa que se queria ser e parecer capital imperial.
Passaram muitos anos, a Gare de Alcântara só ficou concluída durante a guerra,  mas prestou bons serviços ao longo de toda a segunda metade do século XX, assistindo ao apogeu e decadência da Marinha Mercante portuguesa e ao declínio dos grandes paquetes de linha regular que abandonaram o Tejo em 1977.
Depois vieram os cruzeiros e a carga geral deu lugar aos contentores. O cais foi sendo avançado e numa parte do cais de Alcântara à Rocha estabeleceu-se um terminal de contentores, que foi crescendo e expandindo. Sem querermos entrar em polémicas sobre a melhor vocação para o cais e Alcântara, verificamos que desde há uns meses o cais fronteiro ao edifício da Estação Marítima vem sendo ocupado com cada vez mais contentores, cujo efeito visual, longe de acentuar a beleza e funcionalidade do terminal de passageiros e o encanto do Tejo, transmite a sensação de desordenamento que infelizmente caracteriza a nossa vida a nível político e económico. Nota negativa para os intervenientes e responsáveis por esta situação. Fotografias registadas a 23 de Outubro de 2012 com o paquete INDEPENDENCE OF THE SEAS atracado a Alcântara.
Texto e imagens /Text and images copyright L.M.Correia. Favor não piratear. Respeite o meu trabalho / No piracy, please. For other posts and images, check our archive at the right column of the main page. Click on the photos to see them enlarged. Thanks for your visit and comments. Luís Miguel Correia
Post a Comment