Thursday, May 29, 2014

Largam quase em silêncio...


A visita está a acabar, a prancha já foi retirada, os amarradores estão a postos para largarem os cabos, o navio vai partir dentro de breves instantes. 

Não há ninguém a dizer adeus, nada de despedidas, vamos ali mas estaremos de volta depressa. Parecem partidas a fingir, estas dos navios de cruzeiros dos cais de Lisboa. 
Antigamente chorava-se, acenava-se, gastava-se a vista num derradeiro abraço impossível. Em Alcântara ou na Rocha, havia dias em que os nossos paquetes, apelidados de Transportes se enchiam de gente fardada de verde, e valia tudo entre o "Adeus e até ao meu regresso" - subiam aos mastros, saltavam para as baleeiras, enchiam-se todos os espaços exteriores do NIASSA, do VERA CRUZ...
Hoje não, é tudo demasiado civilizado e asséptico. Mas podia ser de outra maneira se o Porto de Lisboa apadrinhasse o faz de conta com umas gentes a carpirem a partida acenando e enchendo o vazio do momento da partida. Podiam ser funcionários a precisarem de boa nota na avaliação, ou entusiastas de navios sem vedações a proteger de entusiasmos excessivos. Que belas partidas seriam. 
No dia 26 de Maio o EUROPA 2 largou, apitou, mas ninguém retribuiu o cumprimento de despedida. Tempos modernos.
Texto e imagens /Text and images copyright L.M.Correia. Favor não piratear. Respeite o meu trabalho / No piracy, please. For other posts and images, check our archive at the right column of the main page. Click on the photos to see them enlarged. Thanks for your visit and comments. Luís Miguel Correia 
Post a Comment