Thursday, August 28, 2014

MICHELANGELO: drama a sul dos Açores



Ao amanhecer de 16 de Abril de 1966 o paquete italiano MICHELANGELO entrou em Nova Iorque procedente do Mediterrâneo com a bandeira a meia haste e inúmeros vestígios de avarias ocasionadas por um golpe de mar extremamente violento que atingiu o navio na manhã de 12 de Abril, quando este navegava a sul dos Açores, rumo a Nova Iorque com 745 passageiros e 710 tripulantes a bordo.
Inaugurado um ano antes, em Abril de 1965, o MICHELANGELO e o seu irmão gémeo RAFFAELLO eram o orgulho da Marinha Mercante italiana, com 45 900 toneladas de arqueação bruta, capacidade para 1771 passageiros e 27 nós de velocidade de serviço. 
O Inverno de 1965/66 foi particularmente rigoroso no Atlântico Norte, cujos meses mais difíceis são habitualmente Março e Abril. O MICHELANGELO fazia a viagem 15,  iniciada em Génova a 7 de Abril, com um dia  de atraso devido ao mau tempo verificado durante a viagem anterior e fez as escalas habituais em Cannes 7-04 das 22h40 às 23h50) e Gibraltar (9-04 das 06h50 às 08h10), fazendo-se ao Atlântico, seguindo uma rota por sul da ilha de Santa Maria, para tentar fugir aos efeitos de um violentíssimo temporal. Durante a noite de 11 para 12 de Abril, vários navios nas proximidades do MICHELANGELO emitiram pedidos de socorro, tendo a Guarda Costeiro dos EUA pedido o auxílio do paquete italiano que foi desviado para norte da sua rota para tentar socorrer o navio libanês ROKOS, sendo depois anulado este pedido. Com mar de força 10, pelas 10h20, a proa do MICHELANGELO foi atingida por uma onde gigante que destruiu parcialmente a zona de proa e o casario do navio junto à ponte de comando que ficou alagada, com diversas janelas destruídas, etc...
Por baixo da ponte, as suites de luxo foram destruídas, pois o alumínio das anteparas não resistiu à força do mar. Em resultado, para além da destruição material, morreram 2 passageiros, 1 tripulante e registaram-se ainda 12 feridos graves. 
O MICHELANGELO foi reparado provisoriamente em Nova Iorque de onde largou a 20 de Abril, sendo depois reparado em Génova, com importante reforço estrutural e a substituição de alumínio por aço na zona de vante do casario, durante a reparação de Inverno no início de 1967, tendo-se seguido intervenção semelhante no RAFFAELLO.

Estas fotografias foram feitas pelo meu Amigo Bill Miller, de Nova Iorque, que se recorda da situação do MICHELANGELO nos termos seguintes: "memories of a Saturday in April 1966 when Italian Line's less-than-a-year-old MICHELANGELO arrived at Pier 90 with her forward superstructure gashed and mangled after sailing through an unusually ferocious Atlantic storm. We stared in curiosity - she looked "badly wounded" and, like bandages, those fore decks were draped in canvas tarps. Word along the waterfront was that the giant, 902-ft long liner would be moved over to Hoboken, to the Bethlehem Steel shipyard, for repairs. Instead, the shipyard's work boats, including a floating crane with tug, made temporary repairs at Pier 90. The Michelangelo later returned to Italy, to her builders at Genoa, for full repairs that included reinforcement of the 45,000-ton liner's superstructure. Similar changes were made to her twin sister Raffaello."

O MICHELANGELO e o seu gémeo RAFFAELLO só navegaram 10 anos, sendo retirados da carreira do Atlântico Norte e imobilizados em 1975 acabando vendidos ao Irão dois anos mais tarde, onde acabaram por ser destruídos. O MICHELANGELO foi desmantelado no Paquistão enquanto o RAFFAELLO está afundado no Golfo Pérsico, vitima da guerra entre o Irão e o Iraque. Mal empregados navios...
Texto e imagens /Text and images copyright L.M.Correia. Favor não piratear. Respeite o meu trabalho / No piracy, please. For other posts and images, check our archive at the right column of the main page. Click on the photos to see them enlarged. Thanks for your visit and comments. Luís Miguel Correia 
Post a Comment