Friday, March 30, 2012

A última saída do VERA CRUZ

Sábado, 4 de Março de 1973, uma tarde cinzenta, com algum vento desagradável e uma luz sem vida a substituir as cores habituais do Tejo pela sombra de uma despedida precoce a um navio esbelto, feito inútil antes do tempo.
Completamente carregado, com os tombadilhos cheios de automóveis para Luanda e Lourenço Marques, o paquete VERA CRUZ largou do cais da Companhia Colonial de Navegação para uma última viagem, sem regresso. Acabava de ser vendido para sucata e seguia para a ilha Formosa onde seria desmantelado. Apesar de se apresentar descuidado e sujo, o VERA CRUZ mantinha uma grande imponência ao deixar o Tejo, acompanhado pelo rebocador MUTELA, com quem trocou os apitos finais.
O VERA CRUZ estava imobilizado no porto de Lisboa há 13 meses, desde que concluíra a última viagem a África, a 27 de Janeiro de 1972. O aspecto exterior descuidado traduzia essa longa imobilização no Mar da Palha. 
Os primeiros dias da última viagem foram atribulados, devido a problemas com as caldeiras, uma das quais ficou inutilizada por um incêndio. Só de Luanda para baixo é que o navio navegou em condições mais aceitáveis. Após uma longa travessia do Índico, chegou ao destino final a 19 de Abril de 1973, entrando no porto de Kaohsiung, onde foi encalhado e entregue aos compradores. 
Após o encalhe deliberado do paquete, próximo de outros navios igualmente condenados, o VERA CRUZ tombou a bombordo e a inclinação era tal que para desembarcarem, os tripulantes tiveram de estender cabos em alguns salões e tombadilhos para se apoiarem. Entretanto subiram a bordo chineses que logo começaram a observar os interiores do paquete, batendo com as mãos nas anteparas para se aperceberem dos materiais, etc... 
O Comandante fez questão de não deixar a bandeira portuguesa no navio. O encalhe não foi a indignidade final do VERA CRUZ, a bordo do qual se declarou um incêndio durante os trabalhos preliminares de desmantelamento.
Nesse ano aziago de 1973 o VERA CRUZ tinha 20 anos e pelo menos mais 20 de vida útil se tivessemos sabido aproveitar este e outros grandes navios que em tempos tiveram a palavra LISBOA escrita à popa... Quando foi lançado à água, em Antuérpia no ano de 1951, o VERA CRUZ foi o quinto maior navio construído nesse ano em todo o mundo... À época só os Estados Unidos, a França, a Holanda, a Itália e o Reino Unido dispunham nas suas frotas mercantes de paquetes com maior tonelagem que o nosso VERA CRUZ. Enfim, foram-se os navios ficaram algumas recordações...
Texto e imagens /Text and images copyright L.M.Correia. Favor não piratear. Respeite o meu trabalho / No piracy, please. For other posts and images, check our archive at the right column of the main page. Click on the photos to see them enlarged. Thanks for your visit and comments. Luís Miguel Correia
Post a Comment