Monday, June 25, 2012

ASSOCIAÇÃO NAVAL SARILHENSE

Associação Naval Sarilhense e Sindicato dos Fluviais celebram Protocolo
Iniciativa valoriza património do Município da Moita: A Associação Naval Sarilhense (ANS), o Sindicato dos Transportes Fluviais, Costeiros e da Marinha Mercante e a Associação para o Desenvolvimento dos Fluviais celebraram um Protocolo de Cooperação, que abre caminho para a “prossecução do Programa de Investigação sobre Embarcações Tradicionais do Estuário do Tejo” que a ANS “está a levar a cabo com o Instituto de Dinâmica do Espaço da Universidade Nova de Lisboa”.
“O concelho da Moita se apresenta como o mais representativo em termos de embarcações tradicionais do Estuário do Tejo” – sublinhou João Lobo, presidente da Câmara Municipal da Moita.
A Associação Naval Sarilhense (ANS), o Sindicato dos Transportes Fluviais, Costeiros e da Marinha Mercante e a Associação para o Desenvolvimento dos Fluviais celebraram, nesta Terça-feira (dia 19 de Junho), um Protocolo de Cooperação, o qual visa: reforçar os laços de cooperação e amizade institucional; promover o intercâmbio de boas práticas, informação e saberes; e, desenvolver actividades em parceria.
A cerimónia de assinatura decorreu na Sede Social da ANS, tendo contado com a presença de representantes de vários órgãos da administração local, de associações e clubes náuticos, do Sindicato dos Fluviais e da Associação para o Desenvolvimento dos Fluviais.
Na abertura da cerimónia, André Fernandes – Presidente da Assembleia Geral da ANS – sublinhou “que este Protocolo se reveste de grande importância, tanto pelo seu simbolismo como pelo conteúdo. Isto porque representa o restabelecimento das relações entre duas instituições que têm na sua génese os Fragateiros do Tejo, mas também porque a comunidade Sarilhense sempre foi uma das mais representativas do Sindicato”. Acrescentou ainda que “o Protocolo vem abrir caminho ao desenvolvimento de iniciativas em parceria e possibilita o acesso da ANS ao Arquivo Histórico do Sindicato dos Fluviais, algo de valor inestimável para a prossecução do Programa de Investigação sobre Embarcações Tradicionais do Estuário do Tejo que esta associação está a levar a cabo com o Instituto de Dinâmica do Espaço da Universidade Nova de Lisboa”.
Por sua vez, João Lobo – Presidente da Câmara Municipal da Moita – salientou que o concelho da Moita se apresenta como o mais representativo em termos de embarcações tradicionais do Estuário do Tejo. Neste contexto, assinalou que este tipo de iniciativas que valorizam este património tem o apoio do Município, felicitando as entidades signatárias pela celebração do Protocolo.
Já Mário Pinto – Presidente da ANS – frisou que “esta Associação e o Sindicato dos Fluviais, antiga Associação de Classe dos Fragateiros, têm profundas raízes em comum. Como tal, este Protocolo vem-nos dar a responsabilidade de homenagearmos esse passado, desenvolvendo futuramente iniciativas em parceria, como sejam exposições, regatas, colóquios ou seminários”. Afirmou ainda que “o acesso ao Arquivo Histórico do Sindicato dos Fluviais é um marco importante para a nossa actividade de investigação, permitindo à ANS continuar a falar sobre as embarcações tradicionais com propriedade e conhecimento de causa”.
Por fim, Artur Toureiro – Presidente do Sindicato dos Fluviais e da Associação para o Desenvolvimento dos Fluviais – lembrou que este Protocolo “vem reforçar a actividade da Associação para o Desenvolvimento dos Fluviais, a qual procura precisamente contribuir para o enriquecimento das actividades lúdicas e recreativas dos seus associados”.
Post a Comment