Saturday, October 13, 2012

Radicalismo fluvial no Tejo

Ontem (12 de Outubro de 2012), entre fotografias de paquetes, cacilheiros, cargueiros, veleiros e rebocadores, apanhei esta flotilha de aventureiros fluvio-radicais aos saltinhos no nosso pacato rio. No léxico politicamente correcto da actualidade trata-se de uma actividade marítimo-turistica, pois claro, e acho muito bem. A receita é infalível: faz-se uma empresa, suplicam-se as licenças, compram-se uns zebros laranjas cheios de cavalos e depois é só arranjar os turistas, vestí-los a rigor, colete e tudo e amará-los à embarcação. E assim começa a aventura, uma espécie de montanha russa aquática, cheia de emoções e adrenalina. Estes turistas aqui tinham acabado de observar em pleno Tejo uns belos golfinhos e orcas, vejam bem a sorte, junto aos pilares da Ponte 25 de Abril, com a colaboração do instituto das estradas e de alguns artistas. Depois fartaram-se de fazer piruetas a grande velocidade e lá voltaram às suas vidas. Alguns desembarcaram aflitinhos para irem fazer um chi-chi, tanta era a água concentrada no Rio.
Uma bela iniciativa em prol da aproximação dos cidadãos ao nosso Tejo. 
Curioso que as entidades reguladoras não tenham exigido a instalação de casas de banho nos zebros. É que a Marinha do Tejo queria posicionar umas embarcações tradicionais no Terreiro do Paço para passear turistas e queriam obrigá-los a construir casas de banho nas canoas do Tejo...

Texto e imagens /Text and images copyright L.M.Correia. Favor não piratear. Respeite o meu trabalho / No piracy, please. For other posts and images, check our archive at the right column of the main page. Click on the photos to see them enlarged. Thanks for your visit and comments. Luís Miguel Correia
Post a Comment