Wednesday, November 28, 2012

Navios da PULLMANTUR mais feios

Para comemorar os dez anos como operadora de cruzeiros com navios próprios, a PULLMANTUR - filial espanhola do Grupo Royal Caribbean - decidiu mudar as cores aos seus navios que voltam a ter chaminés azuis e passam a ter os cascos igualmente pintados de azul. 
Francis Ferro acaba de fotografar o SOVEREIGN com as novas cores em Gibraltar e a minha opinião é que a mudança não favorece os navios ou a imagem da companhia. Pintar as chaminés e ou os cascos dos navios de cruzeiros de azul parece estar na moda este ano. Primeiro foi a SAGA CRUISES que resolveu aplicar à chaminé do SAGA SAPPHIRE um azul assimétrico e psicadélico que faz ressaltar as linhas do antigo EUROPA na vertente de porta-contentores, em detrimento da chaminé amarela que faz do SAGA RUBY um dos navios de passageiros actuais mais bonitos do mundo. 
Agora é a AZAMARA CRUISES a devolver o azul original ao casco dos seus dois RENAISSANCEs e a Pullmantur a azular os seus paquetes. 
Estes exercícios de falta de criatividade e compreensão da estética dos navios são no caso do SOVEREIGN ampliados pela aplicação incorrecta das novas cores e emblema. Para já o navio ficava mais imponente se a chaminé fosse toda pintada em vez da secção superior apenas. Depois, o novo emblema com ondas a recordar os passageiros que os navios balançam e abanam e podem provocar enjoos é patético de tanta originalidade, para além de que a sua aplicação no costado é muito grande. O azul do casco devia ter sido pintado um pavimento abaixo, o que teria destacado a graciosidade das linhas deste navio, com a popa a copiar a do NORMANDIE de 1935 e linhas curvas equilibradas. 
Uma pena esta deriva das companhias de cruzeiros para as chaminés e cascos azuis. Que saudades de cores mais diversificadas, os cascos cor de alfazema da antiga Union-Castle, o verde cruising green da Cunard, o amarelo côr de milho da Orient Line, e por aí fora. Nalguns destes casos uma boa alternativa ao azul seria o preto, por exemplo com uma risca vermelha, como têm os navios da Hurtigruten, ou amarela como estava programado para o FUNCHAL no final da sua reabilitação inacabada. Para mim, a pintura mais tradicional para os navios de cruzeiros continua a ser a mais apropriada: casco e casario branco, mastros e chaminés amarelas e linha de flutuação verde. Simples e bonito. E ainda por cima ecológico pois os navios de cruzeiros emigram habitualmente atrás do calor e em climas quentes os cascos brancos aquecem menos 3 graus celcius que os cascos escuros, o que implica maiores gastos com arrefecimento, ar condicionado, etc...
Texto de /Text by L.M.Correia. Photo copyright Francis Ferro.  Favor não piratear. Respeite o meu trabalho / No piracy, please. For other posts and images, check our archive at the right column of the main page. Click on the photos to see them enlarged. Thanks for your visit and comments. Luís Miguel Correia

2 comments:

Paulo Farinha said...

Excelente artigo a meu gosto.

Ricardo said...

Um bom artigo. Realmente o circo continua...
Ao menos por cá o Tere Moana, vai ganhando umas cores bonitas. Já vai sair bem mais bonito do que entrou.

Abraço

Ricardo