Friday, August 22, 2014

N/V PERO DE ALENQUER, policias e ladrões...


Quem achar que a pirataria marítima é um fenómeno recente ignora a acção de muitos pequenos piratas que se dedicavam a roubar as cargas nos navios. Entre nós, de navios portugueses quando os tivemos. 

O PERO DE ALENQUER era um cargueiro a vapor dos Carregadores Açoreanos que foi substituído em 1960 pelo PONTA GARÇA na carreira do Norte da Europa.


O amigos do alheio que não resistiram a uma apropriação discreta de papel de fumar não contavam com a acção implacável da Autoridade Marítima...

Uma delícia esta notícia retirada do Diário de Lisboa de 27 de Maio de 1949. A equipe de estivadores era de facto de primeira escolha, mas nada conseguiram perante a determinação do agente Cabaço dirigido superiormente pelo chefe Baptista dos Anjos, uma dupla justiceira implacável...

Texto e imagens /Text and images copyright L.M.Correia. Favor não piratear. Respeite o meu trabalho / No piracy, please. For other posts and images, check our archive at the right column of the main page. Click on the photos to see them enlarged. Thanks for your visit and comments. Luís Miguel Correia

2 comments:

João Celorico said...

Pelos vistos o "Pero de Alenquer", navio que conheci quando estive no "Argibay", empresa que fazia a reparação da frota dos Carregadores, estava em todas!
Curioso que naqueles tempos quem furtava, ou se julgava ter furtado, rapidamente era descoberto e "confessava". As "melhores" práticas eram rápidas e ainda mais curioso, os "coitados" não tinham direito ao "bom" nome como hoje e eram logo escarrapachados no jornal. Estes safaram-se pois não tiveram direito a foto mas já dava para o público em geral os ter em linha de mira. Pena é que hoje tenham direito ao bom nome e ninguém os conhece e aqueles que são conhecidos, não roubam mortalhas, e além de foto no jornal têm, sempre, o bom nome e também o dinheiro, a foto só os torna mais famosos.

Um pesqueiro, "Le Rechim", esteve tanto tempo em reparação que tudo o que era amarelo,(o "tógé", foi desaparecendo. O larápio, num pronto foi descoberto, claro!

Ainda nos anos 50, não eram poucos os que aproveitando-se da reparação de navios no Estaleiro da Rocha, se "esqueciam" de sair e abalavam com o navio, tentando a sua sorte. Lembro-me do "Tern", um mineraleiro que foi protagonista dum episódio semelhante!

Cumprimentos,
João Celorico

Luis Miguel Correia said...

Caro João,

Obrigado por mais um interessante comentário. Outros tempos outras atitudes... Muita repressãozinha...