Wednesday, July 22, 2015

A propósito da Lisnave - Margueira


Senhor Luís Miguel Correia ontem falou no seu Blog da Doca 13 da Lisnave da Margueira e de alguns navios de guerra da nossa marinha para abate ai atracados há algum tempo.
O Estaleiro da Lisnave da Margueira em Almada abriu ao serviço da reparação e construção naval em 1967, em 1971 foi aberta a Doca Seca 13, a Maior Doca Seca da Europa para reparar navios tanques e cargueiros, paquetes e navios de guerra, mas em 2000 a Lisnave saiu do estaleiro da Margueira e começou a trabalhar no Estaleiro da Lisnave da Mitrena junto a Setúbal fazendo o mesmo serviço de reparação naval, desde 2000 até 2015 não se fez nada no antigo Estaleiro da Lisnave da Margueira o espaço do Estaleiro e edifícios está a degradar-se, há vários projectos mas nada é feito é assim que Portugal quer voltar de novo ao Mar.
Tem aqui uma foto do Estaleiro da Lisnave da Margueira em 1979 pode-se ver na Doca Seca 13 a fazer uma reparação a um navio tanque, pode-se ver o Pórtico de 300 Tons da Mague ao lado da Doca 13 pode-se ver atracado outro navio tanque, pode-se ver o em Cacilhas o Estaleiro da Parry & Son e no Cais do Pontal de Cacilhas estão atracados os cacilheiros da Transtejo - Rio Tejo Segundo-Caparica, Castelo e Porto Brandão.
Espero que o Senhor Luís Miguel Correia goste desta foto quando ainda a Lisnave da Margueira estava no seu auge. Atentamente,
Nuno Bartolomeu

Texto e imagens /Text and images copyright Nuno Bartolomeu. Favor não piratear. Respeite o meu trabalho / No piracy, please. For other posts and images, check our archive at the right column of the main page. Click on the photos to see them enlarged. Thanks for your visit and comments. Luís Miguel Correia

2 comments:

João Celorico said...

(Aqui vai, de novo o meu comentário a que junto os meus agradecimentos pela sua pronta resposta.)


Caro Senhor Luis Miguel Correia,
olhando estes “posts”, direi que não faço comentários porque, não tenho palavras! O muito que eu dissesse seria bem pouco face a este triste “espectáculo”.
Porém, vou aproveitar para lhe fazer um pedido. Estou a tentar elaborar uma resenha (coisa pouca) do que foram as construções no Estaleiro Naval da CUF (Rocha), desde o “Creoula” e “Santa Maria Manuela”, até ao arrastão “Santa Mafalda” que julgo ter sido a última construção a sério ali realizada. Esta vontade, veio-me depois de ter visitado a NavalRocha e ter ficado com uma terrível vontade de nunca mais ali entrar, mau grado toda a simpatia com que fomos acolhidos. Talvez aqui se possa aplicar o ditado, “Mais vale a morte, que tal sorte”!
Ora o meu pedido, refere-se a um trecho elaborado no seu blogue do “Creoula”, descrevendo o lançamento deste e que eu muito gostaria de transcrever no trabalho que colocarei no meu blogue. Portanto se mo permitir, ficar-lhe-ei muito grato.

Cumprimentos,
João Celorico


PS: Já agora, encontrei esta informação, no blogue abaixo, que me confundiu um pouco. O primeiro a ser lançado foi o “CREOULA” ou foi o “SANTA MARIA MANUELA”? Eles estavam lado a lado e nas fotos do lançamento do “CREOULA” não é possível ver nada na outra carreira. Parece, então, que o primeiro a molhar as obras vivas foi o “SANTA MARIA MANUELA”. Terá sido?

http://santamariamanuela.blogspot.pt/
Às 15 horas e 45 minutos, o “Santa Maria Manuela” entra suavemente nas águas do Tejo. Quinze minutos depois era a vez do “Creoula”.


Quanto à foto do folheto LISNAVE, talvez de 1978 (!), poderá ver-se a entrar, ou a sair, da Doca 13, o super petroleiro da Elf, "Pierre Guillaumat", que aí esteve para acabamentos após a saída dos estaleiros de construção (Chantiers de l'Atlantique, em Saint Nazaire) e porque não havia outra doca seca capaz de o receber para lhe retirar os “cachorros” e demais restos da construção. Foi mais um navio de triste memória porque, sobre dimensionado em relação às exigências de mercado, a sua rentabilidade era fraca.
Construído em 1977, terminou a sua curta vida 6 anos depois.
13 são os navios que se podem vislumbrar mas havia, pelo menos, mais um ou dois, cortados pela foto, nos cais 0(zero) e 2B.

Luis Miguel Correia said...

Caro Sr Eng. João Celorico,

Dos dois lugres lançados a 10 de Mao de 1937, primeiro desceu a carreira o MANUELA e só depois foi a vez do CREOULA, segundo diversas notícias da época e fotografias existentes.

Cumprimentos

Luís Miguel Correia