Friday, February 03, 2017

Cruzeiros em Lisboa versus Madeira

A imprensa marítimo-turística baseada em Lisboa  tem referido vitoriosamente uma notícia sobre os movimentos relativos de navios de cruzeiros em Lisboa e no Funchal mais ou menos nestes termos:
«No ano passado (2016), Lisboa recebeu 522.497 passageiros de cruzeiro e 311 escalas, contra 520.176 passageiros e 294 escalas no Funchal. Relativamente a passageiros em turnaround (os que começam ou concluem cruzeiros), em 2016, Lisboa registou 47.623 passageiros, contra 2.743 do porto do Funchal.» Concluí-se claro que no que toca a cruzeiros, Lisboa é o maior. Não é bem assim, não convém analisar actividades de navios de cruzeiros com mentalidade futebolística, que são assuntos diferentes, e já agora, sérios.
Esta notícia denota uma visão superficial do mercado de cruzeiros e da possível relação entre os diversos portos portugueses. Olhar para os totais dos movimentos de passageiros e escalas de navios entre Lisboa e Funchal como uma espécie de campeonato de futebol é ridículo e mau. Muitos dos passageiros e navios até são os mesmos, que no decurso do mesmo cruzeiro visitam ambos os portos. O Porto de Lisboa já não é o porto imperial da capital de um território que se espalhava do Minho a Timor. Nessa época o atrevimento de o Funchal por vezes ter mais passageiros e navios de passageiros que Lisboa era mal digerido, visto quase como afronta, numa época em que os estatutos dos portos eram diferentes, Lisboa e Leixões eram "Portos de Primeira", que deglutiam a maior parte do investimento estatal para a área portuária, o Funchal, tal como Setúbal e os restantes portos do Continente e Ilhas eram "Portos de Segunda", e foram muito prejudicados por essa discriminação. Festejar se Lisboa tem mais 50 passageiros e 5 escalas que o Funchal num determinado ano não serve para nada nem acrescenta nada de positivo aos nossos interesses comuns. O que se devia desenvolver era os pontos comuns entre os diversos portos portugueses que recebem navios com turistas, fazer a promoção internacional em comum, desenvolver pacotes de itinerários com escalas pelos diversos portos nacionais que atraíssem operadores no sentido de aumentar os cruzeiros com início nos nossos portos, etc...
O cronista não se lembrou, porque se calhar não sabe, de incluir nos números relativos a Lisboa, os cruzeiros locais, em que se destaca o S. PAULUS, mas aqui fica a sugestão, temos de continuar a ser os maiores...
Texto e imagens /Text and images copyright L.M.Correia. Favor não piratear. Respeite o meu trabalho / No piracy, please. For other posts and images, check our archive at the right column of the main page. Click on the photos to see them enlarged. Thanks for your visit and comments. Luís Miguel Correia


Post a Comment