Friday, July 28, 2006

FUNCHAL VAI REGRESSAR A LISBOA

Último sobrevivente da antiga frota de navios de passageiros portugueses, o paquete FUNCHAL vai regressar ao Tejo em Agosto próximo para retomar os cruzeiros destinados ao mercado português com saidas de Lisboa.
O FUNCHAL, que nos últimos anos tem operado em exclusivo nos mercados internacionais de cruzeiros, vai efectuar três cruzeiros com saídas de Lisboa em Agosto e Setembro.
Em 27 de Agosto o navio larga do cais de Alcântara para o cruzeiro Dolce Vita Yachting, uma viagem de 13 dias pelo Mediterrâneo, com escalas em Menorca (Mahon), Córsega (Porto Vecchio), Civitavecchia, S. Stefano, Portofino, Cannes, Tarragona e Gibraltar. Este cruzeiro termina no Tejo a 8 de Setembro e na mesma data o FUNCHAL larga para um fim de semana em Tânger, viagem de duas noites. O programa conclui com uma viagem de oito dias às Canárias e Marrocos, visitando Las Palmas, Arrecife, Agadir, Casablanca e Tânger.
Em 17 de Setembro o FUNCHAL larga para Marselha, para mais um mês de cruzeiros pelo Mediterrâneo, sendo esperado novamente no Tejo a 15 de Outubro, para docagem e manutenção técnica, que vai ser efectuada no estaleiro da NavalRocha, ao contrário dos dois últimos anos em que o FUNCHAL fez as suas reparações habituais no Pireu.
Construído em 1960-61 na Dinamarca para a Empresa Insulana de Navegação, o FUNCHAL foi comprado pelo actual armador (CLassic International Cruises) em 1985 e desde então tem operado com muito sucesso em cruzeiros internacionais. Fotografia e texto de Luís Miguel Correia - 2006
Legenda: aspecto do FUNCHAL a sair de Lisboa no dia 21-04-2006, em viagem posicional da Austrália para Inglaterra.

Thursday, July 27, 2006

THE QE2 blog

We have developed our associated blog on the RMS Queen Elizabeth 2 that now displays about 60 photos of the QE2 and older classic Cunard passenger ships.

Ampliámos o nosso blogue sobre o paquete Queen Elizabeth 2, que apresenta agora cerca de 60 fotogradias deste famoso navio bem como de outros antigos paquetes da Cunard. Este blog é legendado em inglês, mas apresenta essencialmente fotografias.

ANDREA DORIA afundado há 50 anos

Foi no dia 26 de Julho de 1956 que se afundou o mais importante paquete italiano da época, o ANDREA DORIA, na sequência de abalroamento com o navio sueco STOCKHOLM na noite anterior, sob nevoeiro.
O ANDREA DORIA tornou-se um mito, a par do TITANIC, enquanto o STOCKHOLM acabou por se tornar italiano em 1994, quando após reconstrução em Génova passou a ser o navio de cruzeiros ITALIA PRIMA.
Curiosamente, o gémeo do DORIA, que navegou durante 23 anos sem quaisquer problemas acabando vítima das mudanças de costumes e de uma economia desfavorável, ninguém fala com o mesmo entusiasmo. Não há nada como a fama e a tragédia para se fazer de um acidente um mito...
Texto de LMC e foto da colecção M. Eliseo - 2006

Tuesday, July 25, 2006

ESCALAS DE PAQUETES EM LISBOA

No blog nosso associado LISBON CRUISE SHIPS CALLS, passámos a publicar listas com as previsões mensais de escalas de navios de cruzeiros em Lisboa. Para entrar nesso blog, click no link acima, ou no título ESCALAS DE PAQUETES EM LISBOA na coluna da direita.

CRUISE SHIPS CALLS IN LISBON

To see the monthly lists of cruise ships calling in Lisbon go to our associated blog LISBON CRUISE SHIP CALLS that is linked at right

Monday, July 24, 2006

FESTA NO TEJO

Depois de dias de animação permanente no cais da Rocha e na doca de Alcântara, ontem de manhã, 23 de Julho, os veleiros começaram a largar, despedindo-se de Lisboa com uma imponente revista naval, que foi um espectáculo grandioso, o rio totalmente coberto de velas e navios, e as margens a abarrotar de espectadores.
Para além de muitas dezenas de veleiros estrangeiros, incluindo alguns dos mais belos navios-escolas do mundo, como o italiano AMERIGO VESPUCCI ou o espanhol JUAN SEBASTIAN DE ELCANO, destaque para uma presença muito digna de veleiros portugueses, com a Marinha de Guerra a apresentar os seus navios mais emblemáticos, como a SAGRES e o CREOULA, e ainda o POLAR e o VEGA, e a Aporvela com a caravela VERA CRUZ.
O tempo não podia ter estado melhor e a quantidade e variedade de navios e embarcações encantou toda a gente e recordou-nos uma vez mais, que Lisboa é uma cidade atllântica privilegiada, com um porto excepcional, que mostra toda a sua grandeza quando se enche de navios, velas, gente e esperança de mais mar.

Texto e fotografias de Luís Miguel Correia (Copyright) - 2006

TALL SHIPS FESTIVAL IN LISBON

Following a very colourful and active stay in the Alcantara dock and Rocha pier, the Tall Ships fleet left Lisbon yesterday, 23rd July after a spectacular parade of sail with all participating ships and a huge number of local craft sailing past the Belém Tower on their way to the Atlantic and Cadiz.

An enthusiastic croud lined the river banks observing the countless number of foreign ships, including some of the most beautiful sail training ships, like the Italian AMERIGO VESPUCCI or the Spanish Navy's JUAN SEBASTIAN DE ELCANO. Portugal was very much in evidence with the Navy's SAGRES leading the parade that included several other Portuguese Navy sailing ships - the CREOULA, the POLAR and the VEGA, while Aporvela proudly displayed their caravel VERA CRUZ. The weather could not have been better providing the very best of maritime Lisbon as an Atlantic city and as a fantastic scenic harbour full of ships and sails.

Text and copyright photos by Luís Miguel Correia - 2006

Friday, July 21, 2006

PAQUETES PORTUGUESES: APOGEU HÁ 40 ANOS

Há 40 anos, em Julho de 1966, com a viagem inaugural do ANGRA do HEROÍSMO, a frota de paquetes portugueses atingia 26 navios, - a maior frota de sempre.
Portugal orgulhava-se da sua Marinha Mercante e em especial dos grandes paquetes. Era uma frota de navios modernos, quase todos construídos propositadamente para nós, segundo os padrões técnicos mais elevados.
A Companhia Colonial de Navegação (CCN) tinha os três maiores paquetes: INFANTE DOM HENRIQUE (23.306 TAB / 1961), SANTA MARIA (20.906 TAB / 1953) e VERA CRUZ (21.765 TAB / 1952), para além dos gémeos IMPÉRIO (13.186 TAB / 1948) e PÁTRIA (13.196 TAB / 1947) e do UIGE (10.001 TAB / 1954). Todos estes navios faziam regularmente a carreira de África, excepto o SANTA MARIA que fazia a carreira da América Central.
A Companhia Nacional de Navegação (CNN) detinha a maior frota, com 9 unidades: o PRINCIPE PERFEITO (19.393 TAB / 1961), que era o navio-almirante, os gémeos ANGOLA (13.078 TAB / 1948) e MOÇAMBIQUE (12.976 TAB / 1949), o NIASSA (10.742 TAB / 1955), os irmãos INDIA (7.631 TAB / 1951) e TIMOR (7.656 TAB / 1951), o QUANZA (6.657 TAB / 1929) e os gémeos LÚRIO (2.639 TAB / 1950) e ZAMBÉZIA (2.625 TAB / 1949). Estes navios faziam as carreiras de África e do Extremo Oriente.
O armador mais antigo era a Empresa Insulana de Navegação (EIN), propriedade da família Bensaúde, que ainda hoje continua envolvida no negócio maritimo com a Mutualista Açoreana. A EIN fazia a carreira dos Açores e Madeira desde 1871 e tinha 6 navios de passageiros: FUNCHAL (9.847 TAB / 1961), ANGRA DO HEROÍSMO (10.187 TAB / 1955), CARVALHO ARAÚJO (4.560 TAB / 1930), LIMA (3.901 TAB / 1908), PONTA DELGADA /1.054 TAB / 1962) e CEDROS (1.028 TAB / 1955). Para além das viagens para as ilhas dos Açores, Madeira e Canárias, e da cabotagem inter-ilhas nos Açores, a Insulana efectuava cruzeiros com alguma frequência, utilizando principalmente o FUNCHAL.
A Sociedade Geral de Comércio, Indústria e Transportes (SG), empresa do Grupo CUF, tinha 5 paquetes: AMÉLIA DE MELLO (10.195 TAB / 1956), ALFREDO da SILVA (3.374 TAB / 1950), ANA MAFALDA (3.318 TAB / 1951), RITA MARIA (3.749 TAB / 1953) e MANUEL ALFREDO (3.468 TAB / 1954), utilizados nas carreiras de Angola (Amélia de Mello) e Cabo Verde e Guiné.
Havia sempre alguns dos nossos paquetes em Lisboa, e para além das linhas regulares, os nossos navios de passageiros asseguravam o transporte de tropas e material de guerra para o Ultramar e faziam cruzeiros. Ficaram famosos os grandes cruzeiros de Verão do PRINCIPE PERFEITO ao Mediterrâneo, Brasil, Báltico, México e Caraíbas, Canadá e EUA, e os cruzeiros de Fim de Ano à Madeira do FUNCHAL e SANTA MARIA, ou o périplo de África do VERA CRUZ. Muitos turistas faziam as férias de Verão numa viagem redonda à Madeira e todas as ilhas dos Açores , a bordo do CARVALHO ARAÚJO, ou numa viagem redonda no SANTA MARIA que 10 vezes por ano largava do Tejo rumo a Vigo, Funchal, Tenerife, La Guaira, Curaçau, San Juan de Porto Rico e Port Everglades, num itinerário invejável e adequado a umas grandes férias no mar.
Eram os bons tempos dos paquetes portugueses. Mudaram os tempos, desapareceram os navios e desta frota grandiosa de 26 navios só resta o FUNCHAL, que curiosamente tem em Agostro e Setembro próximo vários cruzeiros com partida de Lisboa para o mercado português.
Legenda: De cima para baixo, o ANGRA DO HEROÍSMO, ex- ISRAEL, comprado em 1966 pela EIN; o INFANTE DOM HENRIQUE, que foi o maior navio de passageiros português de sempre; vista aérea do porto de Lisboa cais da Rocha e doca de Alcântara em Abril de 1962, com 4 dos 6 paquetes da CCN atracados - SANTA MARIA, INFANTE, VERA CRUZ e UIGE - este na doca seca; PRINCIPE PERFEITO e QUANZA, respectivamente o maios moderno e o mais antigo paquetes da Nacional; o CARVALHO ARAÚJO que era um dos veteranos da frota, embora fosse o navio muito bonito, digno de ter sido preservado para museu, com as suas máquinas a vapor alternativas; e por último o FUNCHAL, que ainda navega com a bandeira portuguesa e o nome original, como último representante da nossa antiga frota.
Texto e fotos copyright Luís Miguel Correia - 2006

Thursday, July 20, 2006

COSTA CONCORDIA: HOMENAGEM DA APL



O COSTA CONCORDIA largando de Lisboa para Cádis. Em baixo, troca de lembranças entre o Cte. do navio e o Dr. Marques Afonso, da APL e aspectos de pormenor do COSTA CONCORDIA


Assinalando a primeira escala em Lisboa do novo paquete COSTA CONCORDIA, ocorrida a 19-07-2006, a Administração do Porto de Lisboa promoveu uma homenagem ao navio, que decorreu a bordo, com a presença de diversas autoridades e responsáveis pela APL, os quais foram recebidos pelo comandante do COSTA CONCORDIA. Efectuou-se uma troca de presentes, a que se seguiu uma apresentação e visita ao navio. O COSTA CONCORDIA largou para Cádis pelas 18h10. Em 16-09 deve passar em Lisboa, igualmente pela primeira vez, o navio gémeo COSTA MÁGICA, que está a operar no Norte da Europa.
Texto e fotos de Luís Miguel Correia. Todos os direitos de autor e reprodução reservados. Não piratear - 2006

A CHEGADA DOS VELEIROS





No decorrer de todo o dia 19-07-2006, os veleiros participantes na regata da STA foram chegando a Lisboa, emprestando ao cais da Rocha e doca de Alcântara uma animação invulgar e um colorido próprio de ambientes festivos.
E o Tejo está em festa, uma festa de navios, aberta a toda a população. E em Portugal bem precisamos de olhar para o mar, ver e sentir, e gostar de navios. Porque com navios e muitas actividades marítimas podemos ter um futuro melhor.

Legenda das fotos (de cima para baixo)

-O AMERIGO VESPUCCI atracado na Ponta da Rocha, com o JUAN SEBASTIAN D'ELCANO na muralha exterior.
- O SWAN a manobrar na enclusa para entrar na Doca do Espanhol
- A fragata de 3 mastros russa MIR entrando o Tejo.
- Pormenores dos navios MIR, DAR MLODZIEZY e AMERIGO VESPUCCI



Texto e fotos de Luís Miguel Correia - 2006

O MAGNÍFICO PAQUETE VERA CRUZ

Fotografia rara do N/T VERA CRUZ fundeado no Funchal nos anos cinquenta, quando o navio era utilizado na linha do Brasil. (Imagem cedida por Ian Shiffman)



Os grandes paquetes de cruzeiros que actualmente escalam Lisboa - caso do novo COSTA CONCORDIA, chamam a atenção de quem tem o privilégio de os observar e despertam sonhos de viagens urgentes para os afortunados que os visitam. São todos estrangeiros, estes navios de sonho. Mas nem sempre foi assim.
Nas décadas de cinquenta e sessenta do século passado Portugal detinha uma Marinha de Comércio de que se orgulhava justamente, e desses navios faziam parte grandes paquetes, ao nível do melhor que então navegava por esses mares perdidos. O VERA CRUZ foi o primeiro desses grandes navios de prestígio.
De concepção extremamente avançada para a época, o VERA CRUZ foi o primeiro verdadeiro paquete Português, pois todos os navios de passageiros anteriores se classificavam como unidades mistas, pela grande quantidade de carga transportada a par dos passageiros. Encomendado em 1949 na Bélgica pela Companhia Colonial de Navegação, o VERA CRUZ entrou ao serviço em Março de 1952, substituindo o MOUZINHO na carreira do Brasil, que fez regularmente até 1961, a par com viagens à América Central e cruzeiros. A partir de 1961 o VERA CRUZ navegou para destinos africanos, muitas vezes fretado ao Estado para transporte de tropas e material de guerra. Concluiu a sua última viagem em 1972 e foi vendido e desmantelado na Formosa em 1973.
Quando seguiu para a sucata o VERA CRUZ era ainda um navio relativamente moderno, e se tivesse sido reconvertido para cruzeiros podia ter navegado pelomenos durante mais 30 anos. Foi para o lixo quase novo.
Com 21.765 toneladas de arqueação bruta, o VERA CRUZ tinha 185,75 metros de comprimento fora-a-fora e 23m de boca. Dois grupos de turbinas a vapor Parsons desenvolviam 25.500 SHP, permitindo uma velocidade máxima de 23 nós. O navio dispunha de alojamento para 1242 passageiros e 350 tripulantes. os seus interiores eram considerados luxuosos para a época. Foi o primeiro paquete em que naveguei, e guardo, muitas recordações boas e saudades. Assisti com tristeza à sua última largada do Tejo em 1973, ferrugento e carregado de automóveis e carga geral, numa viagem sem regresso para África e os mares da China.
Texto de Luís Miguel Correia - 2006

Wednesday, July 19, 2006

A CHEGADA DO COSTA CONCORDIA



Chegou esta manhã a Lisboa o maior navio de passageiros italiano de sempre. Trata-se do COSTA CONCORDIA, de 112.000 GT, que antes das 07h00 já estava atracado ao cais avançado fronteiro à Estação Marítima de Alcântara.

Fotos e texto de Luís Miguel Correia - 2006
Arrived this morning at Lisbon on her inaugural cruise Italy's largest ever passenger ship, the brand new COSTA CONCORDIA. The 112.000 GT 3780 PAX ship docked very early in the morning at the Alcântara Cruise Terminal.



Photos and Text copyright Luís Miguel Correia - 2006

GRANDES VELEIROS CHEGAM AO TEJO

Texto e fotografias de Luís Miguel Correia (copyright)
Text and photos copyright of Luís Miguel Correia
Gradualmente a doca de Alcântara e o cais da Rocha vão recebendo os veleiros participantes da regata Tall Ships 2006. Esta manhã o CHRISTIAN RADICH, da Noruega estava já atracado à Eclusa da Rocha, enquanto o FAN BARCELONA, da Catalunha (Espanha), manobrava para entrar na doca do Espanhol. O cais prepara-se para uma festa de navios e gente.

Tall Ships arrive in Lisbon

The sailing ships participating in the Sail Training Association TALL SHIPS RACVE 2006 are starting to arrive in Lisbon. This morning the beautiful Norwegian school ship CHRISTIAN RADICH was already alongside the inside pier at Rocha, while the FAN BARCELONA was making her way into the Alcântara dock. The Lisbon waterfront is ready for a festival of ships and sail.

Tuesday, July 18, 2006

COSTA CONCORDIA ESPERADO NO TEJO

O COSTA CONCORDIA atracado no estaleiro Fincantieri de Sestri-Ponente, Génova, onde foi construído

Chega amanhã a Lisboa em cruzeiro inaugural o novo paquete italiano COSTA CONCORDIA, de 112.00 GT e capacidade para 3780 passageiros.
O navio vai atracar à Estação Marítima de Alcântara pelas 07h00 e larga às 18h00.
O maior dos 11 navios da frota Costa, com 290 m de comprimento ff e 36 m de boca, 17 pavimentos, dos quais 13 destinados aos passageiros, o COSTA CONCORDIA tem 1502 camarotes dos quais 500 equipados com varandas privativas.
O COSTA CONCORDIA é o maior navio de passageiros italiano de sempre. Foi construído em Sestri Ponente pelo estaleiro Fincantieri, no mesmo local onde foram construidos navios tão famosos como o REX, o ANDREA DORIA, o FEDERICO C, o GRIPSHOLM de 1957 ou o MICHELANGELO de 1965.
O projecto do novo paquete é baseado no do CARNIVAL DESTINY de 1996, com diversas alterações, e foi entregue ao armador em Génova a 30 de Junho, sendo baptizado a 7 de Julho atracado em Civitavecchia, sendo madrinha a modelo Eva Herzigova. O navio fez uma viagem pré-inaugural de 5 dias com saida de Civitavecchia a 9-07, com escalas em Tunis, Valetta e Tripoli, após o que largou a 14-07 de Savona para o cruzeiro inaugural de 9 dias que amanhã inclui a escala em Lisboa.
Renova-se assim a tradição de muitos dos grandes paquetes italianos visitarem Lisboa no seu cruzeiro inaugural. Assim se passou em Dezembro de 1952 com o ANDREA DORIA, em Setembro de 1966 com o EUGÉNIO C e agora com o COSTA CONCORDIA.
Texto de Luís Miguel Correia. Foto da Fincantieri - 2006

FRANCA C EM LISBOA EM 1975


Amanhã dia 19 de Julho de 2006, passa em Lisboa no cruzeiro inaugural o novo paquete de cruzeiros italiano COSTA CONCORDIA, de 112.000 toneladas. Motivo para recordar aqui o primeiro navio de cruzeiros da Costa, o velhinho FRANCA C, de que apresentamos duas fotografias obtidas em Lisboa em 1975, numa das últimas viagens transatlânticas do navio.
Construído em 1914 nos EUA com o nome MEDINA, passou a chamar-se ROMA em 1948 quando foi transformado em transporte de emigrantes. Comprado pela Costa em 1952, foi utilizado na linhas transatlânticas do Mediterrâneo para a América do Sul e Central com o nome FRANCA C, até 1959, quando foi modernizado para cruzeiros, actividade em que foi pioneiro. Vendido pela Costa em 1977 passou a chamar-se DOULOS após transformação em navio-biblioteca pela Operation Mobilization, uma entidade missionária que desde então opera este paquete com uma tripulação de voluntários cristãos. É actualmente o mais antigo navio de passageiros em actividade.
Texto e fotos de Luís Miguel Correia - 2006
THE FRANCA C IN LISBON IN 1975
The new 112.000 GT flagship of Costa Cruises, the COSTA CONCORDIA makes her first visit to Lisbon tomorrow, 19-07-2006 on her inaugural cruise. So it is fit to remember here Costa's first cruise ship, the old FRANCA C, with two photographs taken in Lisbon in 1975 when the ship was doing her final Atlantic crossings.
Built in 1914 in the USA as the MEDINA, she became the emigrant carrier ROMA in 1948 and was purchased by Costa in 1952, operating at first on the Mediterranean to South and Central Americas as the FRANCA C. In 1959 she was refitted for cruising and became the first full time cruise ship in the Costa fleet. Sold in 1977 she became the DOULOS following conversion into a floating bookshop and missionary ship by Operation Mobilization, a missionary organization that still uses what is now the oldest active passenger ship in the world.
Text and photos by Luís Miguel Correia - 2006

Monday, July 17, 2006

GRANDES VELEIROS NO TEJO

Foto do N/E SAGRES, um dos navios que este ano integram a regata da STA (foto copyright Luís Miguel Correia)

Lisboa faz parte este ano da Regata de Grandes Veleiros promovida pela Sail Training Association que envolve cerca de 80 navios de várias classes, entre os quais os mais belos veleiros do mundo, e cerca de 3.000 jovens tripulantes de diferentes nacionalidades.
Esta Regata, terá o seu início com a concentração de veleiros em St. Malo – França, de 6 a 9 de Julho, donde sairão para a Primeira Regata com linha de partida em Torbay, ao sul de Inglaterra, e a terminar em Lisboa, repetindo assim a Regata de 1956.A frota dos veleiros participantes que se prevê comecem a entrar no porto de Lisboa a partir de 17 de Julho, terá nesta cidade um Programa Oficial de 20 a 23 de Julho, o qual terminará, neste último dia, com um Desfile Naval no Tejo.
Os veleiros seguirão em cruzeiro para Cadiz - Espanha, com escala neste porto de 26 a 29 de Julho, e dele para a Corunha - Espanha, também em cruzeiro, com escala de 7 a 10 de Agosto. Finalmente, em 10 de Agosto, a frota de veleiros sairá da Corunha para a Segunda Regata que terá o seu final em Antuérpia – Bélgica, onde ficarão de 19 a 22 de Agosto, para a celebração final deste grande evento náutico.

Texto de LMC adaptado de informação à imprensa. Foto de LMC - 2006

Thursday, July 13, 2006

PERGUNTA INTERACTIVA



Estes dois navios de passageiros, fotografados por mim nos anos setenta, tiveram uma origem e história comum e um paralelismo com a história dos nossos paquetes PRINCIPE PERFEITO e INFANTE DOM HENRIQUE. Que paralelismo era esse? Como se chamavam os navios?
O melhor texto na caixa de comentários será depois publicado neste espaço... e o seu autor receberá um postal de cada um destes navios.

GET INTERACTIVE
Those two passenger ships photographed by me in the seventies had a similar origin and history and there was some historical fact very similar to the history of the Portuguese liners PRINCIPE PERFEITO and INFANTE DOM HENRIQUE. What were those similarities? What were the names of those ships?
The best text on this subject in our comments box will be published here and the author gets a post card of each of those liners.

Luís Miguel Correia - 2006

IRPINIA em Lisboa

O IRPINIA a atracar na Ponta da Rocha, em Março de 1975
The IRPINIA docking at the Rocha terminal in March 1975
(copyright photograph Luís Miguel Correia)
Um dos primeiros paquetes que fotografei em Lisboa em 1975 foi o IRPINIA, da Siosa Line, que em Março desse ano veio ao Tejo num cruzeiro da Páscoa.
Antigo paquete francês CAMPANA de 1929, este navio seria vendido em 1955 aos italianos e utilizado na carreira Mediterrâneo - América Central.
Esteve pela última vez em Lisboa em 1975, por altura da Pácoa e em Junho a caminho do Norte da Europa, onde fez cruzeiros de verão.
A sua ultima actividade seria ligada aos cruzeiros regulares no Mediterrâneo Ocidental, tendo sido pioneiro dos cruzeiros de 7 dias com saída de Génova, tão populares actualmente. Em 1981 foi retirado do serviço e substituído pelo AUSONIA, acabando desmantelado em La Spezia em Setembro de 1983.
Texto e fotografia de Luís Miguel Correia - 2006
THE IRPINIA IN LISBON
One of the first passenger ships I was able to photograph in Lisbon in 1975 was the old Siosa Line IRPINIA, that visited the Tagus port on her Easter cruise.
Formerly the French SGTM liner CAMPANA of 1929, she had been sold to Italy in 1955 and used on the Mediterranean - Central America service.
Her final calls in Lisbon were those in 1975, in March and then in June on her way to Northern Europe for a series of cruises to the Fjords.
Her final years saw the IRPINIA operating regular 7-day cruises from Genoa to the Western Mediterranean, until she was withdrawn from service in 1981 and replaced by the AUSONIA, to be broken up in La Spezia in September 1983.
Text and photo by Luís Miguel Correia - 2006

Tuesday, July 11, 2006

H. CAPELO - Último navio da INSULANA

Depois de durante 100 anos ter assegurado a carreira dos Açores e Madeira com navios de passageiros e carga, em 1971 a Empresa Insulana de Navegação passou a fazer também o transporte regular de carga geral para África, para o que se procedeu a um aumento significativo da frota.
Entre 1971 e 1973 a Insulana comprou 16 navios de carga, o último dos quais, adquirido em Abril de 1973, foi o H.CAPELO.
Comprado à Holland America Line, o H. CAPELO foi construído em Roterdão com o nome MOERDYK em 1965. Com 12.500 tdw. e 166,37 m comprimento ff, este navio seria o último cargueiro convencional a integrar a frota da Holland America, destinando-se à carreira Norte da Europa - EUA - Canadá (Pacifico). Em Junho de 1973, depois de uma reparação em Hamburgo, o H. CAPELO passou a fazer a linha Norte da Europa - África Oriental.
Em Fevereiro de 1974 a Insulana e a Colonial deram lugar à CTM - Companhia de Transportes Marítimos, e o H. CAPELO foi um dos melhores cargueiros desta empresa. Fez sempre a carreira de África até 1985, quando o Governo de então fechou a CTM e procedeu à venda da frota. O H. CAPELO ainda foi fretado à PORTLINE para uma viagem a Angola antes de ser vendido, em Dezembro de 1985 à companhia Uniship (Hellas). Entregue em Lisboa em 30-01-1986, foi registado em Malta com o nome AVEIRO, e seguiu para o Extremo Oriente, onde foi vendido para sucata e desmantelado em Nantong, R. P. China, em Agosto de 1986.

Texto e fotografia copyright Luís Miguel Correia - 2006

Monday, July 10, 2006

AS MINHAS PRIMEIRAS FOTOGRAFIAS

Saída de Lisboa do CRISTOFORO COLOMBO em 1976
The CRISTOFORO COLOMBO sailing from Lisbon in 1976
Quando em Fevereiro de 1975 comecei a fotografar sistematicamente os navios de Lisboa, o panorama marítimo era completamente diferente do actual. Os navios eram outros, muitos eram cargueiros, daqueles cheios de paus de carga, que então demoravam dias e dias a descarregar na Doca de Alcântara, ou num dos muitos outros cais do Tejo. Ou ao largo, no Mar da Palha.
Os paquetes eram os mais apreciados, e estavam em declínio. A frota portuguesa que em 1966 atingira as 26 unidades estava reduzida a 7 paquetes condenados às últimas viagens, dos quais só sobrevive ainda hoje o FUNCHAL. Procurei fotografar todos os navios que passaram por Lisboa, incluindo os italianos, cujos navios da carreira do Brasil da companhia Itália, ainda vinham regularmente ao Tejo, houvesse ou não passageiros. Os mais assíduos eram o CRISTOFORO COLOMBO e o AUGUSTUS, tendo este último sido substituído em Janeiro de 1976 pelo GUGLIELMO MARCONI. Esta carreira terminou em Junho de 1977, mas ficaram muitas fotografias e boas recordações. O CRISTOFORO COLOMBO era o mais imponente e o seu apito ouvia-se na cidade a grande distância do cais.
When I started taking photographs of ships in Lisbon in February 1975, the shipping panorama was completely different from today. There were lots of beautiful ships, mostly cargo liners with extensive cargo gear and lots of general cargoes to offload alongside the Alcantara dock or several other piers in Lisbon, or off Lisbon at anchor in Mar da Palha.
For me the passenger ships were the more interesting of all ships, and they were part of a declining breed. The Portuguese fleet was reduced to 7 of the 26 ships still in service by 1966 and only the FUNCHAL survives today. At the time I did try to photograph all passenger ships calling in Lisbon and have not yet stopped after about 500,000 photographs. Some of the real favourites in those early days were the Italia liners, specially the CRISTOFORO COLOMBO and the AUGUSTUS, then still operating the Brazil Plate service. The AUGUSTUS was replaced in January 1976 by the GUGLIELMO MARCONI, but the service did not last long and ended in June 1977, although the photos and countless good memories are still with me. The CRISTOFORO COLOMBO was the more impressive and her steam whistle could be heard miles away from the docks.
Texto e fotografia de Luís Miguel Correia - 2006Text and copyright photo by Luís Miguel Correia - 2006

Thursday, July 06, 2006

CORTEJO DE PAQUETES


Estiveram ontem, 5 de Julho de 2006, três navios de cruzeiros em Lisboa. Como quase sempre acontece, os navios fizeram-se ao mar ao fim da tarde e por feliz coincidência, saíram todos ao mesmo tempo.


Primeiro largou o ARCADIA, com o seu perfil e cores elegantes, seguido do LEGEND OF THE SEAS e do GOLDEN PRINCESS.
Observar o canal da barra principal do Tejo, por volta das 19h00 com todos os paquetes alinhados e intercalados por dois pequenos cargueiros, eis um espectaculo que muito apreciei e fotografei. Que lindos navios...

O ARCADIA e o GOLDEN PRINCESS foram construídos em Itália enquanto o LEGEND OF THE SEAS foi construído em St. Nazaire, França.
Fotografias e texto de Luís Miguel Correia - 2006

PARADE OF CRUISE SHIPS


Three cruise ships were in the port of Lisbon, yesterday 5th July 2006, and as usual they all sailed in the evening. The P&O Cruises new ARCADIA was the first to sail, showing her elegant profile and classic livery. She was soon followed by Royal Caribbean LEGEND OF THE SEAS and Princess Cruises GOLDEN PRINCESS.

I was able to observe the ships in the entrance channel to the Tagus bar at about 19h00 and it was a beautiful parade of white ships and two small nice coaster. Beautiful ships in a very nice place and perfect weather. Here they are some of the pictures...

ARCADIA and GOLDEN PRINCESS were both built by Fincantiere in Italy, while the LEGEND OF THE SEAS is a product of the French St. Nazaire yards.

Photographs and text by Luís Miguel Correia - 2006